Mercado

Confira os 5 FIIs que mais valorizaram em janeiro

0

Os Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs) são fundos que atuam através da comercialização e administração de imóveis. Os FIIs registram perdas e ganhos diários que dependem de diversos fatores do setor imobiliário.

O mercado considera os FIIs como investimentos de baixo risco, pois, a legislação impede a contração de dívidas e obriga a distribuição de 95% dos lucros aos cotistas. Além disso, o mercado imobiliário apresenta uma remuneração recorrente.

Os fundos remuneram os investidores de acordo com os lucros obtidos com as receitas de aluguéis, vendas de imóveis e arrendamentos. Dessa forma, confira quais foram os cincos fundos que mais valorizam em janeiro de 2020.

1° Caixa Rio Bravo

Durante o mês de janeiro, o fundo imobiliário Caixa Rio Bravo (CXRI11) foi o que mais valorizou dentre os outros fundos.

No primeiro pregão do ano, no dia 2 de janeiro, o FII encerrou sendo negociado a R$ 1.579,00. Por sua vez, no dia 31, o fundo fechou a sessão sendo cotado a R$ 1.750,00. Dessa forma, no primeiro mês do ano, o CXRI11 registrou uma valorização de 20,54%.

Veja Também: Confira os 3 melhores FIIs pensando em sua previdência

O fundo tem como lucratividade a aquisição de cotas de outros fundos imobiliários.

De acordo com o site fundsexplorer, “esse investimento, poderá proporcionar aos cotistas uma remuneração por meio do fluxo de rendimentos gerado pelos ativos e pelo aumento do valor patrimonial de suas cotas”.

2° BB Renda Corporativa

O Fundo Imobiliário BB Renda Corporativa (BBRC11) tem seus investimentos voltados a empreendimentos bancários.

No dia 2 de janeiro, a BBRC11 encerrou o pregão sendo negociado a R$ 141,99. No último dia do mês o fundo fechou a R$ 149,00. Portanto, o FII sofreu uma valorização de 7,22%.

As aplicações nos fundos não tem nenhuma garantia de lucratividade, dessa forma, é recomendado uma “leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento do FIIs pelo investidor ao aplicar seus recursos”.

3° Industrial do Brasil

O Industrial do Brasil (FIIB11) tem os investimentos focado em empreendimento comerciais do segmento galpões.

No dia 2 de janeiro, o FIIB11 fechou o pregão cotado a R$ 583,39. Por sua vez, no dia 31, o fundo foi negociado a R$ 593,04. Dessa forma, o FII teve uma valorização de 4,61%.

O fundo capta recursos para aquisição de imóveis industriais, prontos ou em construção.

4° Mérito Desenvolvimento Imobiliário I

Os investimentos do Mérito Desenvolvimento Imobiliário (MFII11) são destinados para propriedades em desenvolvimento.

No 2° dia do mês, o fundo foi cotado em R$ 131,55 e no último dia de janeiro, encerrou negociado em R$ 136,91. Portanto, o FII teve uma valorização de 4,54%.

O fundsexplorer ressalta que “fundos de desenvolvimento como o MFII11, são os FIIs que possuem uma maior nível de risco, entretanto, podem oferecer um maior potencial de retorno”.

5° VBI FL 4440

Os investimentos do VBI FL 4440 (FVBI11) são focados em propriedades comerciais do segmento escritórios.

No primeiro pregão do ano, o FVBI11 encerrou a sessão cotado R$ 152,00. Por sua vez, no dia 31 de janeiro, o fundo foi cotado a R$ 160,00. Dessa forma, a valorização do FII no primeiro mês do ano foi de 3,95%.

Os empreendimentos investidos são localizados normalmente em lugares que há uma grande movimentação, como shopping centers, avenidas e centros comerciais.

Como investir em FIIs

O Fundo de Investimento Imobiliário é formado por um grupo de pessoas que tem como objetivo investir em ativos imobiliários. É constituído por um administrador, que tem como função principal investir nesses ativos que podem ser, entre outros:

  • shoppings,
  • galpões logísticos,
  • hospitais,
  • prédios corporativos,

O administrador é responsável por encontrar e realizar os investimentos mais interessantes e garantir boa rentabilidade para o fundo. Cada FIIs tem um perfil e é importante que o investidor conheça bem o seu próprio perfil e defina o investimento que mais o agrada.

Alguns fatores estão contribuindo atualmente para o cenário de investimento em fundos, como a redução na taxa básica de juros (Selic) por parte do Banco Central, assim como a retomada econômica do País.

A Selic, atualmente em seu patamar mais baixo da série histórica, estimula a concessão de crédito, o que permite um crescimento no setor imobiliário.Por sua vez, a retomada do crescimento econômico brasileiro dos últimos meses faz com que esses FIIs se valorizem no mercado.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.