Mercado

Confira 5 ações que mais valorizaram no mês de outubro

0

As ações cotadas nas Bolsas de Valores registram perdas e ganhos diários que dependem de vários fatores. Esse andamento representa uma desvalorização ou valorização do valor total de uma empresa. Diversos fatores como: a economia do país, cenário externo e a gestão da empresa influenciam as variações dos papéis.

Para avaliar o desempenho médio da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) é utilizado o índice Ibovespa que mede o andamento das ações mais líquidas. No total, fazem parte do principal índice da B3 68 ativos de 65 companhias.

A metodologia do indicador é definida pela própria B3 através de uma carteira teórica de ações, cuja composição é modificada periodicamente.

A escolha dos ativos que fazem parte deste índice é baseada em dois fatores:

  • liquidez
  • volume das ações

Desse modo, o especialista de renda variável da SUNO Research, João Arthur, apontou quatro empresas do Ibovespa que mais se valorizaram no mês de outubro.

1° Magazine Luiza

O Magazine Luiza (MGLU3) é uma rede varejista de eletrônicos e móveis. O Magalu possui mais de mil lojas e está presente em 16 estados do Brasil. Atualmente seu principal modelo de negócio é o e-commerce.

No dia 1° outubro, primeiro pregão do mês, as ações ordinárias do Magazine Luiza encerraram sendo cotadas a R$ 37,45. Entretanto, no dia 31 de outubro os papéis encerram sendo negociados a R$ 44,64.

Desse modo, durante o décimo mês do ano de 2019, as ações da varejista registraram uma valorização de 20,75%.

Confira Também: Magazine Luiza prepara oferta de 90 milhões de ações ordinárias

De acordo com o especialista, os resultados trimestrais apresentaram forte crescimento e o mercado tem valorizado cada vez mais as empresas que demonstram um bom desempenho.

No terceiro trimestre, o Magazine Luiza registrou um lucro líquido de R$ 235,1 milhões, valor correspondente a uma alta de 96,7%, em comparação com o mesmo período no ano anterior. O Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) foi de R$ 501,2 milhões no trimestre, representando um crescimento de 79,7% em relação ao ano anterior.

2° Raia Drograsil

A Raia Drogasil (RADL3) é a maior rede de drogarias e a 5° maior varejista do Brasil. A empresa possui mais de 1.800 lojas em 22 estados, que juntos representam 97% do mercado farmacêutico brasileiro.

No dia 1° de outubro, as ações ordinárias da Raia Drogasil encerraram sendo cotadas a R$ 95,93. Entretanto, no dia 31 de outubro os papéis encerram sendo negociados a R$ 110.

Portanto, durante o período de 31 dias, as ações da varejista registraram uma valorização de 14,81%.

João Arthur explicou que assim como o Magalu, o “mercado está cada vez mais premiando, em especial no curto prazo, empresas que conseguem crescer. E a Raia Drogasil tem conseguido entregar este crescimento.”

A Raia Drogasil registrou lucro líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 459,3 milhões no terceiro trimestre. O valor é 260% maior do que o calculado no mesmo período de 2018.

A receita chegou a R$ 4,6 bilhões, uma alta de 22,5% na comparação ano a ano. Os dados levam em conta a compra da drogaria Onofre, que foi fechada há pouco mais de três meses.

3° Qualicorp

A Qualicorp (QUAL3) é a maior administradora de planos de saúde coletivos do Brasil. O grupo foi pioneiro na estruturação dos planos coletivos por adesão.

No dia 1° de outubro, as ações ordinárias da Qualicorp encerraram sendo cotadas a R$ 31,10. Entretanto, no dia 31 de outubro os papéis encerram sendo negociados a R$ 31,90. Durante o mês passado, a administradora registrou uma valorização de 14,35%.

De acordo com o especialista, “a Qualicorp começou o ano muito desvalorizada devido a uma situação de má governança corporativa que o mercado parece ter deixado para trás. Além disso, o anúncio recente de um aporte do grupo rede Dor deu um impulso nas ações”.

A administradora divulgará seu balanço do terceiro trimestre no dia 13 de novembro.

No segundo trimestre, a companhia registrou R$ 110,1 milhões em seu lucro líquido. Assim, a alta foi de 25% em comparação com o mesmo período do ano passado.

O resultado operacional da Qualicorp ficou em R$ 246,7 milhões. Um avanço de 14,4% na comparação ano a ano. O resultado operacional é medido pelo Ebitda.

4° Gol

A Gol Linhas Aéreas Inteligentes (GOLL4) é a maior companhia aérea do Brasil em número de passageiros, tendo 36% de participação do mercado doméstico. A empresa opera em 60 territórios brasileiros e em 23 destinos internacionais.

No dia 1° de outubro, as ações preferências da Gol encerraram sendo cotadas a R$ 31,80. Entretanto, no dia 31 de outubro os papéis encerram sendo negociados a R$ 36,60. Durante o mês passado, a companhia registrou uma valorização de 13,31%.

Veja Também: Gol espera retornar com voos do 737 da Boeing em dezembro

O especialista informou que a Gol se beneficia “da nova conjuntura econômica de juros baixos e gradual retomada. A Gol utiliza muito capital e usufrui agora do benefício de menor despesa financeira”.

A Gol registrou prejuízo líquido de R$ 171,1 milhões no terceiro trimestre deste ano. Em 2018, a companhia havia registrado um prejuízo de R$ 433,1 milhões. Desse modo, o resultado do trimestre representa uma queda de 60,5%.

O prejuízo atribuído aos acionistas totalizou R$ 242 milhões em setembro, baixa de 54,6% em relação ao mesmo período no ano anterior.

5° Cyrela Realt

A Cyrela Realt (CYRE3) é uma incorporadora e construtora de imóveis residenciais. Atualmente opera em 16 estados e 66 cidades no Brasil, além da Argentina e Uruguai.

No dia 1° de outubro, as ações ordinárias da Cyrela Realt encerraram sendo cotadas a R$ 24,24. Entretanto, no dia 31 de outubro os papéis encerram sendo negociados a R$ 26,93. Durante o mês passado, a construtora registrou uma valorização de 11,98%.

De acordo com João Arthur, assim como a Gol, a Cyrela se beneficia da conjuntura econômica de juros baixos. “Os últimos indicadores macroeconômicos foram positivos, e essa é uma empresa que está diretamente relacionada ao ambiente geral da economia”, salientou o especialista.

O resultado do terceiro trimestre da Cyrela Realt será divulgado no dia 7 de novembro. A companhia encerrou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 142,2 milhões. No acumulado dos últimos doze meses, a empresa acumulou lucro líquido de R$ 263,50 milhões. O patrimônio líquido ficou em R$ 5,6 bilhões.

Investir mas com cuidado

Antes de qualquer investimento em ações é importante ressaltar que quitar as dívidas deve sempre ser a prioridade. Os analistas da SUNO Research sempre salientam que é necessário antes poupar dinheiro para depois investir, e nunca se endividar para investir ou investir endividado.

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.