Mercado

Confira 5 ações que menos desvalorizaram em março

0

As ações cotadas nas Bolsas de Valores registram perdas e ganhos diários que dependem de vários fatores como: a economia do país, cenário externo e a gestão da empresa. No mês de março todos os papéis apresentaram uma desvalorização em razão da crise da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Desse modo, o especialista de renda variável da SUNO Research, João Arthur, apontou cinco ações do Ibovespa que menos se desvalorizaram no mês de março.

Para avaliar o desempenho médio da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) é utilizado o índice Ibovespa que mede o andamento das ações mais líquidas. No total, fazem parte do principal índice da B3 68 ativos de 65 companhias.

A metodologia do indicador é definida pela própria B3 através de uma carteira teórica de ações, cuja composição é modificada periodicamente.

A escolha dos ativos que fazem parte deste índice é baseada em dois fatores:

  • liquidez
  • volume das ações

1° Carrefour

No dia 2 de março, primeiro pregão do mês, as ações ordinárias da Carrefour (CRFB3) encerraram sendo cotadas a R$ 21,50. Entretanto, no dia 31 de março os papéis encerram sendo negociados a R$ 20,63.

Desse modo, durante o terceiro mês do ano de 2020, as ações da empresa registraram uma desvalorização de 0,29%.

O Carrefour Brasil divulgou seu lucro líquido referente ao quarto trimestre de 2019. A empresa registrou alta de 7,6% em relação ao mesmo período de 2018, somando R$ 735 milhões de lucro. A performance foi puxada principalmente pelo aumento de vendas e controle de despesas nas operações de atacarejo e de supermercados do grupo, de acordo com o comunicado da companhia.

2° Vale

No dia 2 de março, as ações ordinárias da Vale (VALE3) encerraram sendo cotadas a R$ 46,30. Entretanto, no dia 31 os papéis encerram sendo negociados a R$ 43,22.

Portanto, durante o período de 31 dias, as ações da empresa registraram uma desvalorização de 15,41%.

A mineradora registrou um prejuízo de US$ 1,683 bilhão em 2019. Em 2018 esse resultado tinha sido de um lucro líquido de US$ 6,860 bilhões. No 4T19, o EBITDA (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) pró-forma da Vale totalizou US$4,677 bilhões, ficando US$ 151 milhões abaixo do 3T19.

3° Suzano

No dia 2 de março, as ações ordinárias da Suzano (SUZB3) encerraram sendo cotadas a R$ 39,65. Entretanto, no dia 31 os papéis encerram sendo negociados a R$ 37,79. Durante o mês de março, a varejista registrou uma desvalorização de 6,16%.

Bolsa em queda livre!? Aproveita as maiores oportunidades da bolsa brasileira com nosso acesso Suno Premium

A Suzano no quarto trimestre de 2019 registrou lucro líquido de R$1,17 bilhão, com queda de 61% na comparação anual.O Ebitda foi de R$ 2,465 bilhões no período. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, houve redução de 31%. Entretanto, os analistas consultados pela “Refinitiv” previam um resultado semelhante, de R$ 2,439 bilhões.

4° Rumo

No segundo dia do mês de março, as ações ordinárias da Rumo (RAIL3) encerraram sendo cotadas a R$ 21,71. Entretanto, no dia 31 de março os papéis encerram sendo negociados a R$ 19,65. Durante o mês a empresa registrou uma desvalorização de 6,96%.

A Rumo teve lucro líquido de R$ 786 milhões em 2019, quase três vezes os R$ 273 milhões de 2018. No quarto trimestre do ano passado 2019, o lucro líquido de R$ 202 milhões, com alta de 47,4% em relação ao mesmo período no ano anterior.

5° Telefônica

No dia 2 do mês de março, as ações preferenciais da Telefônica (VIVT4) encerraram sendo cotadas a R$ 55,13. Entretanto, no dia 31 de março os papéis encerram sendo negociados a R$ 49,45. Durante o mês a empresa registrou uma desvalorização de 7,08%.

A Telefônica Brasil, dona da Vivo, teve lucro líquido contábil de R$ 1,420 bilhão no segundo trimestre de 2019, o que representa recuo de 55,2% em relação ao mesmo período de 2018.

Investir mas com cuidado

Antes de qualquer investimento em ações é importante ressaltar que quitar as dívidas deve sempre ser a prioridade. Os analistas da SUNO Research sempre salientam que é necessário antes poupar dinheiro para depois investir, e nunca se endividar para investir ou investir endividado. Esta matéria não é uma recomendação de investimento.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.