Compra da Tiffany pela dona da Louis Vuitton é aprovada pelos acionistas

Compra da Tiffany pela dona da Louis Vuitton é aprovada pelos acionistas
Compra da Tiffany pela LVMH é aprovada pelos acionistas

A aquisição da Tiffany pela controladora da Luis Vuitton e da Bulgari, a LVMH, foi aprovada pelos acionistas da joalheira na última terça-feira (4). O valor total da operação foi de US$ 16,2 bilhões (R$ 68,94 bilhões).

De acordo com o comunicado de imprensa da LVMH, a transação deve ser finalizada em meados de 2020 devido as aprovações de órgãos reguladores. O dono do grupo, Bernard Arnault, celebrou a aprovação dos acionistas da Tiffany que segundo o francês “representa um passo significativo”.

Trata-se da maior compra da história da LVMH sob o comando de Arnault, um dos homens mais ricos do mundo, principal executivo e acionista controlador do grupo há cerca de 30 anos.

O grupo controlador de 75 marcas está avaliado em US$ 220 bilhões, com uma receita anual de US$ 50 bilhões e possui uma grande participação no mercado de artigos de luxo.

A marca mais forte é a Louis Vuitton que, segundo algumas estimativas, equivale a 25% da receita do grupo. A empresa vende artigos de couro em mais de 450 lojas ao redor do planeta.

A holding tem se destacado como uma das empresas mais bem-sucedidas do setor de consumo de alto padrão. A LVMH detém as seguintes empresas:

  • Fendi
  • Christian Dior
  • Bulgari
  • Sephora
  • Hublot
  • Dom Perignon
  • Chandon Estates
  • Marc Jacobs
  • Le Bon Marché Kenzo Parfums
  • Royal Van Lent

Tiffany é uma das principais marcas de luxo do grupo

A Tiffany, especialista em pulseiras, anéis e diamantes, possui 300 lojas e levanta cerca de US$ 4,4 bilhões por ano em receita. Desse valor, cerca de US$ 2 bilhões vem da Ásia, seu principal mercado consumidor.

Veja Também: Agenda do Dia: Bradesco; Locaweb; Eletrobras; Cielo; Selic; Oi

A marca de 182 anos está procurando se reestruturar por meio de seu novo executivo-chefe, o CEO Alessandro Bogliolo. A Tiffany promoveu uma expansão para a China e se ramificou em joias de moda, com o objetivo de seduzir uma clientela mais jovem em todo o mundo.

Os rumores da negociação começaram em meados de outubro, quando o executivo da LVMH, Antonio Belloni, almoçou em Nova York com Bogliolo. Os executivos da Tiffany mostraram-se abertos a uma negociação, pois, segundo eles, seria o melhor meio para uma recuperação, com o apoio da LVMH.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião