Negócios

Comércio deve faturar R$ 3,67 bi durante a Black Friday, aponta CNC

0

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) informou, nesta terça-feira (19), que o comércio deve atingir R$ 3,67 bilhões em vendas da Black Friday em 2019. O montante é o maior para o período em dez anos.

Se as vendas durante a Black Friday atingirem o valor previsto pela CNC, representará alta de 10,5% em comparação ao mesmo período do ano passado. Ao descontar a inflação, o aumento seria de 6,8%.

O economista da confederação, Fabio Bentes, declarou que o crescimento das vendas no comércio eletrônico contribuirão para o aumento do consumo.

Black Friday Suno – as melhores análises sobre investimentos com descontos incríveis! Cadastre-se para ser o primeiro a saber.

“A facilidade de comparação de preços on-line em uma data comemorativa caracterizada pelo forte apelo às promoções evidencia a tendência de aumento expressivo deste evento do calendário do varejo”, disse Bentes.

O aumento das vendas também deverá ocorrer por conta da inflação mais baixa e pelo aumento da demanda por crédito.

De acordo com a CNC, os eletroeletrônicos e utensílios domésticos serão responsáveis pela maior parte das vendas, com faturamento de R$ 929,4 milhões. O segmento de supermercados deve ocupar a segunda posição nas vendas ao faturar R$ 899,3 milhões, seguido pelos eletrodomésticos, com R$ 845,5 milhões.

Além disso, a confederação informou que a data é a quinta mais importante para o comércio brasileiro, atrás somente do Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e Dia dos Pais.

Alshop prevê aumento nas vendas da Black Friday

A Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop) informou, na última segunda-feira (18), que espera um avanço de 18% nas vendas nominais da Black Friday em relação ao mesmo período do ano passado. O montante deve chegar a R$ 3 bilhões.

Saiba mais: Associação de shoppings prevê avanço de 18% nas vendas da Black Friday

Segundo a associação, as vendas deverão aumentar por conta da liberação do saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da queda da taxa de juros.

“Com a baixa na Selic o acesso ao crédito melhorou, e muitas famílias puderam sair do vermelho por conta da liberação do FGTS. Além disso, podemos estimar um retorno significativo para o varejo com a chegada da Black Friday e Natal que movimentam muito a economia”, afirmou o diretor institucional da Alshop, Luís Augusto Ildefonso.

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Almeida
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.