Negócios

Com dívida de R$ 3,1 bilhões, Renova pede recuperação judicial

0

Na manhã desta quarta-feira (16), a Renova Energia (RNEW11) entrou com um pedido de recuperação judicial. A ação engloba dívidas de aproximadamente R$ 3,1 bilhões. Desses, R$ 11,7 milhões estão ligados a processos trabalhistas, e os outros R$ 3,1 bilhões a bancos e demais credores e empresas, com e sem garantia real.

No fato revelante divulgado na manhã desta quarta, a Renova informou que, do total a ser pago, R$ 834 milhões são referentes a débitos “intercompany”, além de “expressivos R$ 980 milhões” a débito com seus acionistas atuais.

Renova buscava novos prazos para as dívidas

A companhia geradora de energia ressaltou que o plano de recuperação judicial, que será discutido em uma assembleia com os credores, “pretende restabelecer seu equilíbrio econômico-financeiro e honrar os compromissos assumidos com seus diversos stakeholders e, em um futuro próximo, retomar uma trajetória de crescimento sustentável, dentro das reais possibilidades operacionais e financeiras da Renova e de seus acionistas”.

O pedido de recuperação judicial foi aprovado na última terça-feira (15) pelo Conselho de Administração da Renova. A empresa possuía uma dívida de R$ 1 bilhão com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com prazo de vencimento ontem. A companhia procurar prolongar esse prazo.

Também na última terça, a Light fechou a venda da totalidade de seus papéis na Renova Energia (17,17%) para o CG I Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, dos sócios-fundadores da Renova.

Saiba mais: CVM aplica multa de R$ 82 mi em esquema intermediado pela Cruzeiro do Sul

Nesse momento, a composição do bloco de controle da Renova ficou da seguinte forma:

  • CGI, com 36,23%
  • Cemig (CMIG3; CMIG4), com 36,23%
  • Acionistas minoritários, com 32,52‬%

No fato relevante, a Renova “reitera o compromisso de manter os acionistas e o mercado em geral devida e oportunamente informados nos termos da legislação aplicável, e informa que documentos referentes ao pedido de recuperação judicial serão disponibilizados no site da CVM“.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.