Internacional

China e Estados Unidos retomam negociações comerciais nesta segunda

0

As negociações comerciais entre China e Estados Unidos ainda não chegaram a um acordo. No entanto, a China demonstrou otimismo nesta segunda-feira (11), após a retomada das negociações.

Além disso, os chineses também demonstraram irritação com os Estados Unidos por conta de uma missão da Marinha norte-americana no Mar do Sul da China. Dessa forma, foram instauradas dúvidas sobre uma melhora de relacionamentos entre as potências econômicas.

Buscando um acordo comercial que impeça o aumento de tarifas sobre as importações chinesas, os Estados Unidos devem seguir pressionando a China sobre uma mudança na forma de tratar a propriedade intelectual das empresas norte-americanas.

Saiba mais: Cotação do minério de ferro sobe na China após desastre de Brumadinho

Negociações comerciais

As negociações serão realizadas com reuniões de grupos de trabalho entre segunda (11) e quarta-feira (13). Depois disso, no final de semana discussões de maiores níveis devem ser feitas.

Em janeiro, conversas entre os países foram encerradas em Washington com o principal negociador dos EUA dizendo que mais trabalho deve ser feito.

De acordo com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, não só a China mas todo esperam um bom resultado das negociações comerciais.

Ambos os lados buscam um acordo comercial antes de  de março, prazo em que as tarifas dos EUA sobre US$ 200 bilhões em importações chinesas subirão de 10% para 25%.

Saiba mais: Guerra comercial EUA-China traz US$ 10 bi ao Brasil, diz estudo da ONU

Navios norte-americanos na China

De acordo com uma autoridade norte-americana à Reuters, além da retomada das negociações, nesta segunda-feira dois navios de guerra dos EUA navegaram próximos as ilhas reivindicadas pela China no Mar do Sul da China.

Conforme disse o porta-voz chinês, os navios entraram nas águas sem a permissão da China e que o país demonstrou totalmente oposta e insatisfeita com a ação estadunidense.

No entanto, a Marinha da China seguiu os navios dos Estados Unidos alertando para que fossem embora, segundo Hua Chunying.

Compartilhe a sua opinião

Renan Bandeira
Renan Bandeira escreve sobre política e economia para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou em uma rede de televisão, onde fazia reportagens sobre os mesmos temas. Estuda na Universidade Metodista de São Paulo.