China: economia recupera força após medidas rigorosas contra o covid-19

China: economia recupera força após medidas rigorosas contra o covid-19
China

Um indicador da atividade do setor de serviços da China, divulgado nesta sexta-feira (3) pela empresa Caxin China, subiu em junho para o seu maior nível em mais de uma década. O resultado vem como consequência do  relaxamento das medidas de controle do coronavírus (covid-19) em diversas regiões do país, impulsionando uma maior demanda.

De acordo com os dados divulgados pela Caixin, a atividade econômica está ganhando força na China, sinalizando que a abordagem rigorosa de Pequim para combater a pandemia do coronavírus está começando a surtir efeitos positivos. O índice de compras de serviços na passou de 55 pontos em maio para 58,4 em junho.

O índice registrado em junho ficou acima da marca dos 50 que separa a expansão e a contração econômica, registrando uma rápida recuperação quando se compara um mês ao outro. Apesar da economia chinesa estar ganhando força, o nível real de atividade permanece muito abaixo dos níveis pré-vírus.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Em fevereiro, a mesma pesquisa realizada pela Caixin registrou o seu ponto mais baixo, de 26,5 pontos, sugerindo uma dramática retração na atividade do setor de serviços da China. A leitura permaneceu em território contracionista por mais dois meses antes de voltar à expansão em maio.

A forte recuperação no setor de serviços foi alinhada com outros dados positivos divulgados nesta semana. O índice oficial da atividade industrial (PMI) na China, divulgado na terça-feira, atingiu o maior nível em três meses.

China voltou a isolar pessoas por medo do coronavírus

A China voltou a ficar em alerta por conta do coronavírus (Covid-19). De acordo com a agência “AFP”, o país isolou uma região que fica próxima a Pequim. Dessa forma, cerca de 500 mil pessoas ficarão isoladas novamente. As informações foram divulgadas no último domingo (28).

Veja também: Coronavírus: Brasil investe US$ 127 milhões na compra de vacinas em teste

Daniel Guimarães

Compartilhe sua opinião