China diz que manterá ‘crescimento estável’ em meio à guerra comercial

China diz que manterá ‘crescimento estável’ em meio à guerra comercial
China: Pequim distribuirá US$ 1,7 bi em vouchers para consumo da população

Segundo o governo da China, na Conferência Central de Trabalhos Econômicos iniciada encerrada nesta quinta-feira (12), o país promoverá um crescimento estável ano que vem, ao passo que, devido à guerra comercial, as pressões sobre a economia aumentem.

Baixe o relatório gratuito da SUNO sobre o IPO da XP Investimentos 

O evento, que acontece todos os anos em Pequim, faz um levantamento sobre o desempenho da economia, analisar o cenário atual e estabelecer as próximas medidas a serem tomadas. O presidente da China, Xi Jinping, discursou e apontou os principais pontos.

O planejamento econômico determinou que a China passe a promover um “crescimento estável”, de acordo com a Xinhua, agência de notícias estatal. O plano objetiva combater uma prolongada desaceleração interna que viu o crescimento enfraquecer no ritmo mais lento das últimas décadas.

Confira: EUA e China estão negociando para adiar as tarifas comerciais, diz jornal

Por mais que o enfoque da conferência não tenha sido o andamento da guerra comercial com os Estados Unidos, o embate contínuo pairou fortemente sobre as tratativas. “O desafio dos riscos domésticos e externos está claramente aumentando”, relatou a Xinhua.

Durante a conferência, Pequim ressaltou o objetivo de dobrar o tamanho da economia e os níveis de renda até o ano que vem, em comparação com a última década.

China manterá estímulo à expansão

A agência de notícias ainda salientou que a China deve manter a política fiscal proativa, tornando a política monetária “flexível”, com o intuito de reduzir os custos de financiamento para a economia em geral.

No mercado imobiliário, os líderes chineses comprometeram-se a estabilizar os preços de terrenos, das propriedades e as expectativas do mercado, utilizando mais linguagem sobre “estabilidade” em comparação com as declarações da conferência econômica de 2018.

Dentre os comunicados deste ano, foi estabelecido que a China irá revisar suas empresas estatais em três ano, mas não há detalhes sobre este processo.

Saiba mais: China acusa EUA de interferência em assuntos internos

Quanto à competição contra seus pares no comércio internacional, não houve nenhuma menção à política industrial constantemente criticada por Washington como protecionista, mas o documento apontou que a China deverá criar uma série de indústrias “competitivas globalmente”.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião