CFO da Hertz renuncia após pouco mais de um mês no cargo

CFO da Hertz renuncia após pouco mais de um mês no cargo
O CFO da companhia de locação de veículos Hertz deixou o cargo para buscar novas oportunidades

O diretor financeiro da Hertz Global Holdings (NYSE: HTZ), Eric Esper, deixou a locadora de veículos norte-americana nesta segunda-feira (28) para buscar novas oportunidades depois de pouco mais de um mês no cargo.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Com a sua saída do executivo, a empresa nomeou Kenny Cheung para a posição de CFO. Esper permanecerá na companhia como diretor de contabilidade até 1 de novembro e ajudará na transição, comunicou a Hertz.

O agora ex-CFO foi promovido ao cargo no mês passado sucedendo o Jamere Jackson, que também renunciou para procurar novos caminhos no mercado.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Com isso, a promoção de Cheung à posição de vice-presidente executivo de finanças e diretor financeiro operacional e de reestruturação teve efeito no último dia 24 de setembro, informou a empresa. O executivo, que entrou no negócio em dezembro de 2018, já ocupou diversos cargos seniores na área financeira da locadora de automóveis. Cheung também já integrou cargos na Nielsen Holdings e General Electric.

Hertz declara falência nos Estados Unidos

O movimento acontece em um momento em que a Hertz busca empréstimos para o processo de falência para financiar o negócio em meio a uma das maiores crises no segmento de locação de veículos.

Uma das maiores empresas de aluguel de carros dos Estados Unidos, a Hertz entrou com um pedido de falência no final de maio após a pandemia, com as medidas de isolamento social e de restrição à circulação, assolar suas operações.

Com isso, a companhia caça um empréstimo de até US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 8,445 bilhões) depois de que órgãos reguladores impedirem a Hertz de realizar uma venda, conforme publicou o jornal “The Wall Street Journal”. A transação foi negada devido ao fato de suas ações estarem potencialmente sem valor, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. O empréstimo, dessa forma, poderia ajudar a empresa a atravessar a crise até que os negócios retornem aos níveis regulares.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião