Internacional

Promotores japoneses apresentam nova acusação contra Carlos Ghosn

0

Nesta segunda-feira (22) promotores japoneses apresentaram uma nova acusação contra o ex-presidente da Nissan Motor e Reunalt, Carlos Ghosn. Ele é acusado pelo suposto desvio para uso pessoal de fundos do fabricante japonês. Esse desvio era feito através da empresa sede em Omãn.

Hoje se completaria o prazo de detenção provisória, Carlos Ghosn está preso desde o dia 3 de abril. Entretanto, com essa nova acusação, que é a quarta, é possível que o empresário permaneça sob custódia.

De acordo com as autoridades japonesas, Ghosn teria cometido um crime de abuso de confiança agravada contra a Nissan. O empresário brasileiro, desviava parte de transferências da empresa para uma distribuidora de Omãn para seu próprio uso pessoal. O prejuízo total é equivalente a US$ 5 milhões.

Receba nosso relatório sobre o IPO do UBER gratuitamente!

Entenda o caso de Ghosn

O empresário foi detido em Tóquio no dia 19 de novembro, Ghosn é acusado de fraude e de uso indevido de recursos do grupo RenaultNissan. Ele foi solto sob fiança no dia 5 de março pelo Tribunal de Tóquio. Os juízes japoneses determinaram uma fiança de 1 bilhão de ienes (cerca de R$ 33,8 milhões).

O executivo de 64 anos foi acusado de fraude fiscal e uso de verbas da empresa para uso pessoal. Ele teria omitido em suas declarações de renda às autoridades da Bolsa de Valores nipônica. Além disso, Ghosn teria escondido quase R$ 167 milhões entre 2010 e 2015.

Saiba Mais: Em vídeo, Carlos Ghosn se diz inocente e denuncia complô

Ademais, Carlos Ghosn é suspeito de ter repetido a fraude, entre 2015 e 2018, totalizando 4 bilhões de ienes. Além das acusações de não ter declarado sua renda real, a Nissan afirma que seu ex-presidente utilizou ilicitamente residências de luxo espalhadas em vários países do mundo pagas pela empresa.

Nessas despesas paga pelas empresas está a sua viagem durante o carnaval para o Rio de Janeiro. O executivo juntamente com sua esposa convidaram oito casais de amigos para passar a festa na capital fluminense em 2018. Ao todo, a viagem custou US$ 260 mil (cerca de R$977,6 mil) e teria sido paga pelo grupo Renault-Nissan.

Saiba Mais: Esposa de Carlos Ghosn deixa o Japão e se declara “em perigo”

A prisão de Ghosn provocou uma crise na aliança entre a Nissan e a Renault. A aliança industrial entre as duas montadoras foi criada em 1999, costurada próprio por Carlos Ghosn.

Carlos Ghosn

O executivo era considerado uma “estrela” no mundo do setor automotivo mundial. Era conhecido, principalmente, por sua capacidade de reestruturas empresa em crise e cortar custos.

Ele salvou a Nissan, que no inicio dos anos 200 estava prestes a falir. Carlos Ghosn chegou a ganhar um status de herói no Japão, tanto que sua trajetória foi ilustrada em histórias em quadrinhos japonesas.

Vale a pena entrar no IPO do Uber? Clique aqui e confira o relatório gratuito

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.