Imóveis

Caixa diminui juros dos financiamentos imobiliários

0

A Caixa Econômica Federal comunicou nesta quarta-feira (5) que irá reduzir os juros nos financiamentos imobiliários. A medida começara a valer na próxima segunda-feira (10).

A taxa cobrada pela Caixa caiu de 11%+ Taxa Referencial (TR, que está atualmente em zero) para 9,75% + TR. A menor taxa, paga por clientes que já possuem contato com a instituição, foi reduzida de:

  • 8,75% + TR para 8,5% + TR.

O banco juntou as taxas praticadas nos empréstimos do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), que são voltadas para imóveis com valor acima de R$ 1,5 milhão. Esses valores podem ser obtidos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Saiba mais: FGTS: Governo estuda liberar saldo de contas ativas para impulsionar economia 

As taxas desta quarta tem valem nas diversas modalidades, entre elas:

  • imóvel novo
  • imóvel usado
  • aquisição de terreno
  • construção
  • construção em terreno próprio
  • reforma e ampliação

Renegociação

Além disso, a Caixa também divulgou as condições para a renegociação de dívidas imobiliárias de pessoas físicas. De acordo com o banco, as medidas atingem cerca de 600 mil famílias e devem beneficiar 2,3 milhões de pessoas. Em alguns casos, poderá haver perdão de multas.

Saiba mais: Governo estuda liberar FGTS de contas inativas; fundo será reformulado 

As opções oferecidas vão de pagamento à vista de entada a incorporação das parcelas atrasadas nas próximas prestações do empréstimo. Além disso, há a possibilidade de utilizar o saldo do FGTS para diminuir os valores das prestações.

Liberação do FGTS

A Caixa Econômica Federal começou a preparar a operação de saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Segundo o jornal “Folha de S. Paulo” o valor disponibilizado poderia alcançar R$ 30 bilhões em três meses.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou a liberação das contas do FGTS de contratos ativos dos trabalhadores como medida para reativar o consumo. Entretanto, essa operação deveria ocorrer somente depois da aprovação da reforma da Previdência.

Compartilhe a sua opinião

Renan Dantas
Escreve sobre política e mercado financeiro para o portal Suno Notícias. Antes, atuou na assessoria de comunicação do Ministério Público do Trabalho e na Rádio Mackenzie, onde apresentava e produzia um programa sobre artistas da música brasileira. É estudante na Universidade Presbiteriana Mackenzie.