Negócios

Caixa mira setor de cartões; Visa e Mastercard têm interesse em parceria

0

A Caixa Econômica Federal (CEF) estaria trabalhando em um braço de cartões, conforme o “Estado de S. Paulo”. Conforme o jornal, o braço do banco seria intitulado “CaixaPay“, e concentraria além da Elo, outras maquininhas, cartões pré-pagos e um programa de fidelidade. A Visa e a Mastercard estariam interessadas no novo programa.

“A Caixa ainda não começou o processo, mas certamente temos interesse em conhecer os detalhes da parceria”, afirmou o presidente-executivo da Mastercard, João Pedro Paro Neto, à Imprensa no CIAB. O CIAB é um evento de tecnologia bancária, promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

“Nós vamos participar da concorrência, com certeza”, declarou o presidente-executivo da Visa, Fernando Teles. A Visa já é parceira da Caixa atualmente.

Ainda conforme o jornal, além da Visa e da Mastercard, também estariam interessadas na parceria:

  • a empresa de cartão de crédito japonesa, JCB.
  • e a chinesa CUP (China Union Pay).

Em 2018, as receitas da Caixa somente na área de cartões somaram cerca de R$ 2,7 bilhões. Desta forma, houve um crescimento de 6,2% sobre a arrecadação de 2017. São mais de 100 milhões de cartões, entre débito e crédito. O atual CEO da Caixa, Pedro Guimarães, visa impulsionar este segmento.

Saiba mais – Caixa vai ofertar suas 241,34 milhões de ações ON da Petrobras

Caixa devolve R$ 3 bi ao governo

Guimarães informou também nesta quarta-feira (12) que a instituição financeira devolverá R$ 3 bilhões ao governo federal. Conforme o ministro da Economia, Paulo Guedes, o valor total que deverá ser devolvido é de R$ 42 bilhões.

Tal recurso é referente ao empréstimo feito através do Instrumento Híbrido de Capital e Dívida (IHCD) durante o governo da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT). O empréstimo ficou conhecido como “pedalada fiscal”, que resultou no impeachment de Dilma.

“Ocorreram muitos empréstimos da União aos bancos públicos, que cometeram excessos com esses recursos, em especial Caixa e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Nossa responsabilidade é devolver esses recursos para a União, cumprindo exigências do Tribunal de Contas da União (TCU)”, disse o ministro.

Conforme Guimarães, a estratégia é que até o final do ano a Caixa tenha devolvido R$ 17 bilhões. O dinheiro arrecado não poderá ser usado como receitas primárias, mas será usado apenas para pagar a dívida pública.

Compartilhe a sua opinião

Amanda Gushiken
Amanda Sayuri Gushiken escreve sobre finanças e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, trabalhou selecionando notícias da imprensa para clientes do mercado financeiro. Também desenvolveu pesquisa acadêmica pela Universidade Anhembi Morumbi na área de Teorias da Comunicação e é fotógrafa nas horas vagas.