Caixa quer arrecadar R$ 15 bi com abertura de capital das subsidiárias

Caixa quer arrecadar R$ 15 bi com abertura de capital das subsidiárias
Caixa: recursos do FGTS beneficiarão 30 milhões de pessoas

A Caixa Econômica Federal pretende arrecadar pelo menos R$ 15 bilhões abrindo o capital de quatro de suas subsidiárias, segundo o presidente do banco, Pedro Guimarães ao jornal “O Globo’.

As subsidiárias da Caixa são da área de cartões, seguros, loterias e gestão de ativos. De acordo com Pedro Guimarães, as operações de abertura de capital irão acontecer entre o segundo semestre de 2019 e primeiro semestre de 2020

A primeira etapa da operação, que deverá ocorrer entre setembro e dezembro deste ano, envolverá a Caixa Seguradora e a Caixa Cartões. No entanto, a segunda etapa que acontecerá entre janeiro e abril do próximo ano, terá a Caixa Loterias e a Caixa Asset (gestão de ativos).

Saiba mais: Banco do Brasil nega venda de sua participação no IRB

Saiba mais: Bradesco BBI projeta Ibovespa batendo os 116 mil pontos no fim de 2019

Empréstimos para estados

Segundo o presidente do banco, a Caixa está disposta a emprestar recursos aos estados que estiverem com dificuldades financeiras. No entanto, os mesmos devem ter o Tesouro Nacional como avalista da operação.

“Se você tiver o aval do Tesouro Nacional, não tem problema nenhum. Se não tiver o aval do Tesouro, (o empréstimo) vai ser analisado pelos canais de risco de crédito da Caixa. Mas a gente nunca vai emprestar se (o pedido) não passar pelos crivos do banco” afirmou o presidente.

Além disso, Guimarães afirmou que não foi procurado por nenhum governador e ressaltou a importância da disputa com bancos internacionais no programa. “Nesse programa específico, ainda não. Mas vi que bancos estrangeiros também querem entrar nessa dinâmica. Acho ótimo. Competição é bom”,

Quando questionado sobre a venda dos ativos do IRB Brasil, o presidente disse “as pessoas estão satisfeitas” e que a oferta de ações foi feita em um fundo no qual o banco é gestor. A demanda chegou a R$ 2,5 bilhões.

Corte de custos

Além disso, Guimarães falou sobre a economia de “R$ 3,5 bilhões e dois anos” com cortes despesas. Segundo o presidente, alguns contratos atuais geram muitas despesas e quando eles chegarem ao fim “serão renegociados em outras bases”.

O executivo da Caixa ainda falou sobre a criação de um grupo para a redução de despesas. Segundo ele será buscada uma “racionalização”.

Renan Bandeira

Compartilhe sua opinião