C&A (CEAB3) chega a subir 11% após notícia da venda da operação no Brasil

C&A (CEAB3) chega a subir 11% após notícia da venda da operação no Brasil
C&A (CEAB3) anota prejuízo de R$ 28,2 milhões no 3T20

As ações da C&A (CEAB3) operam em forte alta na manhã desta segunda-feira (19) após a divulgação da notícia de que a família Brenninkmeijer, controladora da companhia, estuda vender sua participação do negócio no Brasil. Por volta das 11h10, os papéis subiam 8,05%, a R$ 13,83. No início do pregão, as ações chegaram a atingir R$ 14,19, com uma alta de quase 11%.

De acordo com o jornal “Valor Econômico”, a família de origem holandesa — que detém 65% da C&A — pretende centralizar seus negócios na Europa, e já deu sinal a fundos estrangeiros de private equity de que avaliaria propostas para a venda dos ativos.

Segundo o jornal, a família busca soluções para o negócio no Brasil desde 2014. O objetivo tem se mostrado em focar em países mais rentáveis na Europa, como a Alemanha. Dos 18 países de atuação da varejista, mais da metade estão localizados no continente europeu.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

A venda das operações da C&A no Brasil, de acordo com o “Valor”, não seria algo surpreendente. A empresa, apesar de não ter formalizado a intenção de venda de ativos no País, estaria consultando fundos e grupos estratégicos nos bastidores.

IPO da C&A pagou dívida com controladora

A C&A realizou sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em outubro de 2019. À época, a varejista de moda conseguiu movimentar R$ 813,7 milhões, com a ação saindo a R$ 16,50 — piso da faixa indicativa. No entanto, o que chamou atenção na operação foi a destinação dos recursos captados: cerca de 90% do capital seria utilizado para o pagamento de uma dívida.

Aproximadamente R$ 775,2 milhões foram destinados para a aquitação de uma dívida com a C&A Mode AG, controladora da varejista que é baseada em Luxemburgo, na Europa. Segundo analistas do mercado, a dívida era referente à captação de recursos para capital de giro, com o custo de 170% do CDI, considerado acima dos patamares do mercado.

Apenas 10% do arrecadado no IPO, cerca de R$ 86,1 milhões, foram destinados para a expansão da marca no Brasil. A C&A conta com com 288 lojas em todo o País, com 550 mil metros quadrados de área de vendas.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião