BTG Pactual (BPAC11) nega interesse em usinas da Atvos

BTG Pactual (BPAC11) nega interesse em usinas da Atvos
Fachada com logo do BTG Pactual (foto: divulgação)

O Banco BTG Pactual (BPAC11) esclareceu, nesta quinta-feira (15), aos seus acionistas e ao mercado em geral que não avalia, “nem nunca avaliou”, adquirir o controle das usinas sucroalcooleiras de Atvos. Além disso, a instituição afirmou que esta transação não se enquadra nas estratégias de nenhuma das áreas de atuação do BTG Pactual.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

O comunicado foi publicado após o jornal “Valor Econômico” fazer uma nota sob o título “BTG negocia compra da sucroalcooleira Atvos”, na última quarta-feira (14).

De acordo com o jornal, o BTG Pactual estaria estudando a aquisição das usinas sucroalcooleiras da Atvos. Os ativos, que supostamente seriam de interesse do BTG, pertencem à Odebrecht, e estão em recuperação judicial desde maio do ano passado.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

A publicação do jornal chegou a informar que a compra seria feita por meio da divisão do BTG Pactual que investe em empresas com dificuldades financeiras, conhecida como “special situations“. Ainda de acordo com a nota, as conversas com os reestruturadores da Atvos já estariam em curso e o aporte do banco de investimento seria em um valor próximo aos R$ 500 milhões.

O jornal também deixou claro que a Atvos detém R$ 11 bilhões em dívidas financeiras, e estava em busca de novos investidores para possibilitar a continuidade de suas atividades.

A ideia da empresa seria conseguir capital para aumentar sua área agrícola e manter-se competitiva no mercado. No final do ano passado, a consultoria RK Partners negociou com o fundo Mubadala, de Abu Dhabi, para a injeção de R$ 800 milhões na Atvos, mas não chegaram a um acordo junto aos bancos credores sobre o tamanho da participação que teriam na empresa. O fundo esperava deter 70% do negócio com o aporte.

Na publicação, o jornal ainda destacou que a divisão do BTG estudava o tamanho ideal de participação na companhia, embora as conversas ainda fossem iniciais.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião