BTG Pactual (BPAC11) estuda aquisição das usinas da Atvos, diz jornal

BTG Pactual (BPAC11) estuda aquisição das usinas da Atvos, diz jornal
O BTG Pactual (BPAC11) está estudando a aquisição das usinas sucroalcooleiras da Atvos. Os ativos pertencem à Odebrecht.

O BTG Pactual (BPAC11) está estudando a aquisição das usinas sucroalcooleiras da Atvos. Os ativos pertencem à Odebrecht, e estão em recuperação judicial desde maio do ano passado. As informações são do jornal “Valor Econômico”.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

A compra seria realizada pela divisão do BTG Pactual que investe em empresas com dificuldades financeiras, conhecida como “special situations“. Segundo o jornal, as conversas com os reestruturadores da Atvos já estão em curso e o aporte do banco de investimento será na ordem de R$ 500 milhões. A Atvos possui R$ 11 bilhões em dívidas financeiras, e busca novos investidores para possibilitar a continuidade de suas atividades.

A companhia, que é uma das maiores do setor no País, controla nove usinas na região Centro-Sul, com moagem de 26 milhões de toneladas de cana, sendo que a capacidade total de suas unidades operadoras é de 37 milhões de toneladas. As atividades da empresa, entretanto, foram fortemente impactadas pelos entraves financeiros do grupo Odebrecht, envolvido na Operação Lava Jato.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

A Atvos demanda novo capital para aumentar sua área agrícola e manter-se competitiva no mercado. No fim de 2019, a consultoria RK Partners negociou com o fundo Mubadala, de Abu Dhabi, para a injeção de R$ 800 milhões na companhia, mas não chegaram a um acordo junto aos bancos credores sobre o tamanho da participação que teriam na empresa. O fundo esperava deter 70% do negócio com o aporte.

De acordo com o “Valor”, a divisão do BTG trabalha com R$ 500 milhões disponíveis para o investimento e estuda o tamanho ideal de sua fatia na companhia, embora as conversas ainda sejam iniciais. Segundo o jornal, a instituição tem apresentado interesse nos ativos do setor sucroalcooleiro nos últimos meses.

Odebrecht em meio à aquisição do BTG Pactual

Não somente as conversas sobre o investimento e a aquisição da fatia do controle da Atvos, também pesa nas negociações a disputa societária entre a Odebrecht, atualmente dono de 100% das usinas da companhia, com um dos seus credores, o fundo norte-americano Lone Star, investidor em empresas com problemas da mesma natureza.

De acordo com o plano de recuperão da Atvos, homologado pela Justiça em agosto, os bancos credores da empresa podem converter em capital os bônus de subscrição equivalentes a uma parte dos créditos que possuem na empresa para realizar a transferência de controle das usinas. As instituições financeiras são:

Em atrito com a Odebrecht, a Lone Star é vista como uma insegurança jurídica para o futuro comprador dos ativos da Atvos. O fundo estadunidense pagou US$ 5 milhões (cerca de R$ 27,85 milhões) por ações dadas em garantia pela contrutora a bancos pelo gasoduto no Peru e, consequentemente, obrigou a Odebrecht a repassar o controle da Atvos.

Em meio às negociações com o BTG Pactual, a Atvos entende, por meio de sua defesa, que o fundo norte-americano representaria uma ameaça concreta se conseguisse interromper o plano de recuperação da empresa. Atualmente, entretanto, o plano já está em execução, com os bônus de subscrição às instituições financeiras em processo de emissão.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião