BRZ, mineira do ramo de construção, solicita registro de IPO

BRZ, mineira do ramo de construção, solicita registro de IPO
A contrutora mineira BRZ é focada no programa Minha Casa Minha Vida

A construtora mineira BRZ Empreendimentos enviou seu pedido para oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), ampliando a fila de empresas à espera de uma abertura de capital na bolsa de valores de São Paulo.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

A BRZ comunicou que pretende utilizar os recursos captados com a venda de novas ações para investir em novos projetos, antecipar permutas com donos de terrenos, reduzir o endividamento, investir em tecnologia e reforçar a liquidez.

A companhia concentra suas operações nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro; e seu quadro acionário é constituído pela Ávida Participações, JME Participações e Eduarda de Campos Tolentino. Cada parte detém um terço do capital e será vendedora na oferta secundária de ações da empresa.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Para coordenar a operação, a BRZ contratou as instituições financeiras Bank of America, UBS, XP e Caixa Econômica Federal. A construtora informou que a oferta servirá tanto para os acionistas venderem participação no negócio quanto para injetar recursos na companhia.

Conforme prospecto liminar, a construtora registrou uma receita líquida de R$ 262,1 milhões no primeiro semestre deste ano, equivalente a uma alta de 20% ante mesmo período do ano anterior. Na mesma comparação, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado subiu 150%, para R$ 58,4 milhões.

BRZ entra na fila de empresa de construção civil para listagem

Com o novo pedido da BRZ para registro de IPO, somam 15 ligadas ao setor de construção das 36 companhias na fila para receber autorização para listagem na B3.

O momento lembra os anos de 2007, quando cerca de duas dezenas de companhias do setor imobiliário fizeram sua estreia na bolsa brasileira, equivalente a quase um terço do total de novas listagens do ano.

Em contrapartida, atualmente, as construtoras, incluindo a BRZ, vivem um cenário de taxa básica de juros na mínima histórica de 2%, enquanto o Banco Central (BC) injeta recursos na economia para combater os efeitos da pandemia de covid-19 no Brasil. Especialistas também avaliam que a taxa Selic deve permanecer em níveis baixos por alguns anos, o que pode estimular empréstimos de longo prazo.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião