Negócios

Brex, fintech fundada por brasileiros, obtêm investimento de US$ 100 mi

0

A fintech Brex, fundada por dois brasileiros, obteve US$ 100 milhões (cerca de R$ 380 milhões) em uma rodada de investimentos. A empresa de cartão de crédito para startups dos EUA, criada há menos de dois anos, já superou o valor de mercado de US$ 1 bilhão. As informações são do site TechCrunch.

A Brex foi criada por dois brasileiros, Henrique Dubugras e Pedro Franceschi, no Vale do Silício, e conta com 57 funcionários. Os US$ 100 milhões foram obtidos através de um empréstimo junto ao banco Barclays Investment. Essa é mais uma rodada de investimentos da fintech, após outro round que levou para seu caixa US$ 125 milhões.

Receba nosso relatório sobre o IPO do UBER gratuitamente!

O presidente executivo da Brex, Henrique Dubugras, informou que esses valores serão usados para financiar a próxima fase de crescimento da startup. Entre os projetos da fintech estão o lançamento de um cartão de crédito para grandes empresas. Entretanto, Dubugras não pretende obter mais recursos no curto prazo.

Saiba mais: A ascensão das fintechs continuará em 2019? 

Agilidade como diferencial

Para Dubugras e Franceschi, o diferencial da Brex é a agilidade. A fintech promete uma versão digital do cartão em até cinco minutos após o cadastro, recebendo uma versão física em até cinco dias.

Saiba mais: Banco Votorantim aposta em fintechs e cogita virar sócio da Neon 

A Brex também não pede garantias para os empresários para fornecer acesso ao cartão corporativo. Um diferencial com os outros bancos, que pedem ganhos e bens pessoais como garantia.

Além disso, na comparação com o cartão de crédito de pessoa física, a Brex oferece um crédito até 10 vez maior do que os bancos tradicionais.

Saiba mais: Retrospectiva 2018: um ano intenso para as fintechs 

Além disso, a Brex também é diferente dos bancos tradicionais na hora de calcular os riscos. A fintech não analisa o faturamento, mas sim o histórico dos investidores, o fluxo de caixa e os padrões de gastos da empresa que pede o empréstimo.

Brasileiros experientes no mercado

Antes de criar a Brex, Dubugras e Franceschi já tinha criado outra fintech, a Pagar.me. Uma empresa de pagamento digital para outras empresas. Eles acabaram vendendo a empresa para a Stone em 2016, mas utilizaram essa experiência para conhecer seus primeiros investidores, os  fundadores do PayPal Peter Thiel e Max Levchin.

 

Vale a pena entrar no IPO do Uber? Clique aqui e confira o relatório gratuito

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.