Braskem (BRKM5) deverá lançar título de dívida no exterior na próxima semana

Braskem (BRKM5) deverá lançar título de dívida no exterior na próxima semana
Braskem (BRKM5) patina em conter problemas em Alagoas

A Braskem (BRKM5) deverá anunciar sua emissão de títulos de dívida (bond) no exterior na semana que vem, de acordo com informações do jornal “O Estado de S. Paulo”. A petroquímica busca levantar até US$ 1,5 bilhão com a operação. Esperava-se que os papéis fossem oferecidos ao mercado nesta sexta-feira (17).

Segundo a publicação do jornal, a Braskem optou por esperar para atrair mais investidores e dar melhores explicações sobre a operação. Esta estratégia de emissão é pouco utilizada por emissores brasileiros. Os bonds são híbridos e, dessa forma, possuem características parecidas com as de uma ação. Com isso, essa oferta oferece pouca proteção ao investidor, que fica por último na fila de pagamento em caso de uma crise financeira da empresa.

Entretanto, todas as companhias que fizeram operações no mercado de dívida no exterior desde o início do mês de maio conseguiram obter grande sucesso. Os bonds propostos pela Braskem não possuem cláusulas de compromissos financeiros ou operacionais (covenants). Essas cláusulas dão a garantia, aos investidores, da cobrança dessa dívida se algumas das cláusulas a seguir forem descumpridas:

  • Juro a ser pago deixa de ser fixo após cinco anos;
  • O emissor poderá optar por postergar o pagamento de juro dos papéis.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Acordo entre Petrobras e Odebrecht sobre a Braskem

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou, no dia 6 de julho, que a estatal petroleira espera chegar a um entendimento junto à Odebrecht sobre um novo acordo de acionistas para Braskem dentro de seis meses.

Castelo Branco comunicou durante um evento online que o novo acordo, que prevê a conversão das ações preferenciais em papéis com direito a voto, permitiria à Petrobras vender sua participação na Braskem por transação no mercado de capitais.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião