Economia

Brasil não consegue ampliar nº de frigoríficos que podem exportar para China

0

O Brasil não conseguiu ampliar a sua planta de frigoríficos habilitados a exportarem para a China. De acordo com o “Valor Econômico”, após reunião da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, com ministro chinês, não ocorreram os avanços esperados.

A expectativa era de que a reunião resultasse em um acordo para liberação imediata de frigoríficos que podem exportar carne bovina à China. De acordo com fontes do setor privado ouvidas pelo jornal, isso não ocorreu.

Pequim havia anunciado recentemente a intenção de ampliar a lista de frigoríficos brasileiros liberados para exportação. A previsão era de que as plantas que já exportam para a Europa fossem mais facilmente habilitadas. Isso porque o mercado europeu é exigente com as questões sanitárias, o que daria mais confiança aos chineses.

Saiba Mais: hina pode comprar mais carne bovina brasileira, diz embaixador

Mal-estar com frigoríficos menores

A ministra da Agricultura criou um mal-estar com os frigoríficos de porte menor de produção. Isso porque Tereza Cristina defendeu publicamente a ideia de dar prioridade aos grandes, que já exportam para a Europa.

O caso gerou incômodo e mobilizou até a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). O órgão acusou o governo de privilegiar os grandes produtores nas negociações.

De acordo o “Valor”, fontes informaram que a reunião não foi de toda sem resultados. Assim, como produto do encontro, a ministra teria conseguido um acordo para padronizar as regras de habilitação de frigoríficos para exportar à China.

O Brasil tenta habilitar mais de 70 plantas para exportação ao mercado chinês. Dentre as carnes produzidas pelos frigoríficos estão:

  • bovina;
  • suína;
  • aves.

Por sua vez, a China também busca benefícios ao país na negociação. Os chineses querem, como contrapartida, um acordo de exportação de pescados para o Brasil.

Saiba Mais: Ações da JBS sobem mais de 10% com recomendação do Morgan Stanley

A visita da ministra da Agricultura foi a abertura das conversas comerciais e diplomáticas do governo brasileiro com autoridades chineses. Dessa forma, o vice-presidente, Hamilton Mourão, deve ser o próximo a se reunir com representantes do governo.

O general viaja para o país asiático na próxima semana, quando participará da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban). Além disso, o presidente Jair Bolsonaro também tem uma viagem marcada para a China no mês que vem.

Compartilhe a sua opinião

Beatriz Oliveira
Formada em Jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, Beatriz Oliveira escreve para o portal de notícias Suno Research. Antes, passou pelas redações da Revista EXAME e da Rede Bandeirantes.