Embora promessa de Trump, Brasil não espera apoio dos EUA na OCDE

Embora promessa de Trump, Brasil não espera apoio dos EUA na OCDE
Brasil assina acordo militar com EUA que pode chegar a US$ 100 bilhões

Nos dias 21 e 22 de maio, será realizado a reunião em Paris sobre a entrada de possíveis países a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Mesmo após o apoio do presidente americano, Donald Trump, o Brasil não possui expectativa de apoio formal dos Estados Unidos.

“No mínimo, espera-se que se chegue a um ponto em que o governo possa continuar tratando do assunto sem dizer que ele morreu”, disse uma fonte do governo ao jornal “Jovem Pan”. Para o Brasil a entrada na OCDE é um selo de qualidade.

Apoio de Donald Trump

No dia 29 de maio de 2017, o País oficializou seu pedido de adesão à organização em uma carta assinada.

Já no dia 17 de maio deste ano, Trump declarou para imprensa americana ao lado do presidente Jair Bolsonaro que apoiava a entrada do País na OCDE. “Eu estou apoiando os esforços deles [brasileiros] para entrar [na organização]”.

As declarações do presidente norte-americano foram feita após Bolsonaro concordar em abrir mão do tratamento especial que tem direito na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Saiba Mais: Ao lado de Bolsonaro, Trump diz que apoia entrada do Brasil na OCDE

Antes, a Casa Branca apoiava apenas a candidatura da Argentina enquanto vetava a do Brasil. Porém, Trump prometeu remover o veto. No entanto, diplomatas americanos afirmam que não receberam nenhuma instrução para modificar o posicionamento.

Na atual previsão, a Argentina seria aceita como candidata, logo após, em setembro seria a Romênia. Somente no início do ano que vem o Brasil seria aceito.

OCDE

A organização está sediada em Paris, na França, e conta com algumas das principais economias do mundo. Entre os seus 36 países-membros, cuja maioria tem elevado PIB per capita e IDH. Somente dois são da América Latina: México e Chile.

Os membros se reúnem em um café da manhã para discutirem o futuro da organização e a ascensão de novos membros.

Saiba Mais: Entenda o que o Brasil poderia ganhar entrando na OCDE, o ‘Clube dos Ricos’

Ou seja, o apoio americano não significa que o País está automaticamente dentro da organização. Significa, apenas que os Estados Unidos deixou de vetar o Brasil para se candidatar.

A inserção do País no “Clube dos Ricos” ajudaria o governo a implementar política com a finalidade de combater a desigualdade. Essa conquista seria através da grande disponibilidade de informações, coletadas de diversos países-membros.

Além disso, com essas informações, o Brasil seria capaz de alcançar uma estabilidade financeiro e um crescimento econômico.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião