Economia

Bradesco estima crescimento do PIB abaixo de 1% em 2019

0

O banco Bradesco (BBDC3) reduziu novamente a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2019. Abaixo de 1%, a nova estimativa é de 0,8%, contra 1,1% no relatório anterior. Na primeira estimativa do ano, o crescimento previsto era de 2,5%.

De acordo com o Bradesco, alguns fatores domésticos indicam atividade econômica moderada no segundo trimestre de 2019:

  • retração de 0,2% no PIB do primeiro trimestre de 2019;
  • e a queda da confiança de empresários e consumidores.

Contudo, no novo relatório, o Bradesco destacou que a previsão pode ser alterada. Isto, pois, estímulos no consumo vêm sendo implementados pela equipe econômica. Como a liberação dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) discutida pelo governo. Além disso, a aprovação da reforma da Previdência também pode ser um fator que pode alterar a estimativa.

O banco também aponta alguns fatores externos que atrapalham o crescimento econômico brasileiro:

  • desaceleração econômica global;
  • e a guerra comercial entre China e Estados Unidos.

A projeção de expansão do PIB para 2020 foi mantida em 2,2%.

Saiba mais – Boletim Focus: previsão de crescimento do PIB é reduzida para 1,13% 

Bradesco: Taxa Selic a 5,75%

O banco também aguarda uma redução da taxa básica de juros. Ao fim de 2019, o Bradesco estima que a taxa Selic estará em 5,75%. Atualmente, os juros básicos estão em 6,5%.

Conforme análise do banco, o PIB de 2019 terá desempenho ainda pior que o projetado, caso a redução na taxa Selic não ocorra.

Bradesco: Inflação a 3,8%

A projeção para a inflação no final deste ano foi reduzida pelo banco Bradesco. A estimativa caiu de 4% para 3,8%, mesmo percentual previsto para 2020.

A baixa atividade econômica foi apontada como insuficiente para gerar inflação por um tempo prolongado.

“As condições objetivas da economia (grau de alavancagem, posição cíclica, disponibilidade de crédito e uma agenda reformista positiva) seguem favoráveis a uma retomada do crescimento ao longo do próximo ano”, afirmou o banco.

Saiba mais – Teto dos gastos poderia ser revisto; Ministério da Economia nega

Reforma da Previdência

Referente à principal pauta do governo do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), o banco afirmou que a sustentabilidade das contas públicas no médio e longo prazo dependem da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência.

O Bradesco salientou que é muito importante que a economia prevista pela equipe econômica, de R$ 1 trilhão com a aprovação da PEC, seja cumprida.

“Quanto mais robusta for a reforma, menores serão os cortes de outros gastos para cumprimento da regra do teto de gastos do governo”, argumentou o Bradesco.

Compartilhe a sua opinião

Amanda Gushiken
Amanda Sayuri Gushiken escreve sobre finanças e negócios para o portal Suno Notícias. Antes, trabalhou selecionando notícias da imprensa para clientes do mercado financeiro. Também desenvolveu pesquisa acadêmica pela Universidade Anhembi Morumbi na área de Teorias da Comunicação e é fotógrafa nas horas vagas.