Bradesco (BBDC4) negocia acordo em gestão de fortunas com subsidiária do JPMorgan

Bradesco (BBDC4) negocia acordo em gestão de fortunas com subsidiária do JPMorgan
Fachada de unidade do Banco Bradesco (foto: divulgação)

O Banco Bradesco (BBDC4) está tentando realizar um acordo com a subsidiária brasileira do JPMorgan, banco norte-americano, no setor de gestão de fortunas. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo” e foram publicadas no último sábado (29).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Caso o acordo seja celebrado entre as partes, o Bradesco Private Bank poderá oferecer investimentos locais dos clientes do JPMorgan, que irá focar nos mercados fora do País. A indústria de gestão de fortunas está ganhando força devido aos cortes no juro brasileiro.

Hoje em dia, o Bradesco Private é voltado aos investidores que possuem capacidade superior a R$ 5 milhões para investir, com escritórios em 14 cidades do Brasil. Em 2019, o JPMorgan havia demonstrado interesse em direcionar seus negócios para oferecer uma gama maior e completa de serviços para empresas.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

De acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), o patrimônio de recursos investidos pelo público “private” totalizava R$ 1,306 trilhão até o mês de junho deste ano. Segundo a Anbima, esses investidores milionários aumentaram seus investimentos em ações, além de terem diminuído os recursos direcionados à renda fixa e papéis isentos, frente ao mesmo semestre de 2019.

Lucro recorrente do Bradesco no 2T20

O Bradesco apresentou, há cerca de um mês, seus resultados financeiros do segundo trimestre deste ano. O bano teve um lucro líquido recorrente de R$ 3,873 bilhões. Na comparação ano a ano, o resultado é equivalente a uma queda de 40,1%. No segundo trimestre de 2019, o lucro foi de R$ 6,462 bilhões. O lucro líquido contábil ficou em R$ 3,506 bilhões, frente a R$ 6,042 bilhões registrados no segundo trimestre de 2019 (-41,97%).

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião