BR Properties (BRPR3) lucra R$ 14,4 milhões no 1T20 e reverte prejuízo

BR Properties (BRPR3) lucra R$ 14,4 milhões no 1T20 e reverte prejuízo
BR Properties (BRPR3) lucra R$ 14,4 milhões no 1T20 e reverte prejuízo

A BR Properties (BRPR3) registrou, na manhã desta quinta-feira (7), um lucro líquido de R$ 14,37 milhões no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. No primeiro trimestre de 2019, o resultado foi negativo em R$ 167,88 milhões, portanto, o balanço dos primeiros três meses de 2020 reverte o prejuízo obtido.

A BR Properties, no entanto, salientou que o lucro líquido ajustado (FFO), desconsiderando os efeitos não caixa e não recorrentes do período, foi de R$ 46,2 milhões. Segundo a companhia, a margem FFO atingiu 61%, o maior nível já registrado desde a criação da empresa.

Suno One: O primeiro passo para alcançar a sua independência financeira

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 53,6 milhões, avanço de 24% se comparado com o mesmo intervalo do ano passado. A margem Ebitda, por sua vez, foi de 71%.

A companhia informou que a receita líquida de R$ 76 milhões representa uma alta de 18% em relação ao mesmo período de 2019, resultado da redução das taxas de vacância do intervalo.

A despesa financeira líquida ajustada, segundo a BR Properties, no primeiro trimestre deste ano, foi de R$ 6,3 milhões, uma queda de 90% em comparação ao 1T19.

De acordo com a empresa, o “resultado é fruto do trabalho desenvolvido nos últimos anos pela Companhia em sua estrutura de capital, a partir das vendas de propriedades non-core, aumento de capital e liquidação de um montante expressivo de sua dívida, proporcionando assim forte desalavancagem financeira”.

A companhia também ressaltou que conseguiu reduzir de forma expressiva o custo médio de sua dívida, o que, “associado à redução da taxa básica de juros da economia (Selic), também trouxe relevante queda no custo nominal da dívida”.

Saiba mais: IGP-M, inflação do aluguel, desacelera para 0,80% em abril

Por conta do “processo de melhoria contínua na gestão de seus passivos”, a empresa reduziu o spread médio em relação ao CDI do custo de sua dívida, indo para 5,2%, ante 9,9% do mesmo período em 2019.

Dessa forma, a BR Properties encerrou março deste ano com uma dívida líquida de R$ 388,3 milhões e uma posição de caixa de R$ 1,35 bilhão.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião