BR Partners cancela IPO por causa de baixa demanda

BR Partners cancela IPO por causa de baixa demanda

O banco de investimento BR Partners decidiu, nesta quarta-feira (23), cancelar sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A instituição, porém, deve retomar a operação quando julgar as condições do mercado mais favoráveis. As informações são do jornal “Valor Econômico”.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Ainda segundo o jornal, pelo menos outras seis empresas que estão na lista para realizarem a abertura de capital estariam cogitando uma mudança nos seus planos. De acordo com uma fonte próxima ao assunto, “o mercado está muito seletivo e a volatilidade alta contribui para isso”.

A abertura de capital da BR Partners estava prevista para acontecer na próxima sexta-feira (25). A empresa estimava levantar cerca de R$ 590,7 milhões, considerando o meio da faixa indicativa, que variava de R$ 15,97 (base) e R$ 18,96 (teto). O banco faria uma oferta base de 34.607.779 units. Os papéis da instituição seriam negociados sob o ticker “BRBI11“.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A BR Partners informou em seu prospecto, protocolado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que a oferta poderia ser acrescida pelo lote adicional, que compreende 20% da oferta base, e pelo lote suplementar, que equivale a 15% da oferta inicial. Com isso, a oferta poderia ter 46,7 milhões de units e chegaria até a R$ 885,8 milhões.

Os bancos escolhidos para serem coordenadores da abertura de capital da BR Partners eram:

A ideia da BR Partners com a oferta era expandir seus negócios, principalmente nas áreas de Crédito Estruturado e Mercado de Capitais e Sales & Trading, que atualmente correspondem a uma parte considerada pequena nas receitas da instituição. Vale destacar também que a oferta seria totalmente primária. Dessa forma, todos os recursos levantados na operação iriam para o caixa da empresa, uma vez que os atuais acionistas não venderiam suas participações.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião