BR Distribuidora (BRDT3) se defende de acusação de prática anticompetitiva pelo Cade

BR Distribuidora (BRDT3) se defende de acusação de prática anticompetitiva pelo Cade
"A BR Distribuidora afirma que irá adotar todos os meios necessários para sua defesa"

A BR Distribuidora (BRDT3)   publicou, na última de sexta-feira (11), um fato relevante para se defender da acusação da Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) de que junto com a Air BP Brasil, a Raízen Combustíveis e a Concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU Airport), teria adotado “prática anticompetitiva” no mercado de distribuição de querosene de aviação no aeroporto de Guarulhos, o maior do Brasil.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“A companhia informa que irá adotar todos os meios necessários para sua defesa. A BR Distribuidora reitera pautar sua atuação pelas melhores práticas comerciais e concorrenciais, com ética e respeito aos seus clientes, exigindo o mesmo comportamento dos seus parceiros comerciais e força de trabalho”, informou o documento.

A BR Distribuidora destacou ainda que a Nota Técnica do Cade “não caracteriza condenação de qualquer dos representados”, mas somente parecer opinativo, que ainda será submetido à apreciação do Tribunal.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

De acordo com a Superintendência Geral do Cade, a investigação começou em fevereiro de 2014, após denúncia feita pela empresa Gran Petro. A acusação é que as distribuidoras e a concessionária estariam dificultando sua entrada no pool de distribuição de combustível no aeroporto de Guarulhos.

Segundo reportagem publicada pelo o jornal “Estado de S.Paulo” na última sexta, as empresas são acusadas de barrar a entrada de concorrentes no aeroporto para fornecer querosene de aviação. Se condenadas, poderão pagar multas de até 20% de seu faturamento bruto. Segundo a Superintendência, GRU Airport, Air BP Brasil, BR Distribuidora e Raízen Combustíveis colocaram em contrato um dispositivo que previa que o uso da base de abastecimento compartilhada no aeroporto dependeria da anuência das participantes do pool.

“A BR Distribuidora reafirma seus princípios de Consciência, Responsabilidade e Solidariedade e manterá os investidores e o mercado em geral informados de futuros desenvolvimento”.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião