Política

Bolsonaro: presidente do BNDES está com ‘cabeça a prêmio’

0

O presidente Jair Bolsonaro ameaçou demitir o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy. O mandatário afirmou neste sábado (15) que Levy está com a “cabeça a prêmio”.

Bolsonaro explicou que mandou Joaquim Levy demitir o diretor de Mercado de Capitais do BNDES, Marcos Barbosa Pinto. Segundo o presidente, se Barbosa Pinto não for demitido, o próprio Levy seria demitido.

Saiba mais: Jair Bolsonaro afirma que demitirá presidente dos Correios 

“Eu já estou por aqui com o Levy. Falei para ele: ‘Demita esse cara na segunda-feira ou demito você sem passar pelo Paulo Guedes”, declarou Bolsonaro, “Governo tem que ser assim, quando bota gente suspeita em cargos importantes, e essa pessoa, como o Levy, vem há algum tempo não sendo leal à aquilo que foi combinado e àquilo que conhece a meu respeito, ele está com a cabeça a prêmio já tem algum tempo.”

Marcos Pinto foi chefe de gabinete de Demian Fiocca durante sua presidência do BNDES (2006-2007). Fiocca era considerado um homem de confiança do então ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Dissídios antigos

As desavenças entre Levy e presidente da República são antigas. Quando o presidente do BNDES foi indicado para o cargo, Bolsonaro declarou que quem havia “bancado” a indicação dele era o ministro da Economia, Paulo Guedes. Isso pois Levy foi ministro da Fazenda no segundo mandato de Dilma Rousseff, deixando seu  cargo após 11 meses.

Saiba mais: Presidente Bolsonaro demite ministro Carlos Santos Cruz 

Outras demissões

O caso de Levy segue outras duas demissões de peso realizadas nessa semana pelo presidente Bolsonaro. Uma delas foi a dopresidente dos Correios, General Juarez Cunha, demitod por tem “se comportado como um sindicalista”.

A demissão de Cunha ocorreu um dia após a demissão do ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz. O ministro da Secretaria de Governo foi demitido por causa da “falta de alinhamento político-ideológico” do ministro.

Saiba mais: Greve dos caminhoneiros: governo está “entre a cruz e a espada”, diz ministro 

O presidente Bolsonaro comunicou a decisão para Santos Cruz durante uma reunião. Participaram também os ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno.

Os embates entre o ministro e os outros integrantes do governo também foi uma das causas da demissão. Santos Cruz, general da reserva, é o primeiro ministro militar a deixar o Executivo Bolsonaro.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.