Negócios

Boeing confirma falha no simulador de voo 737 Max

0

A Boeing foi forçada a corrigir uma falha no software de simuladores de treinamento de voo. A informação foi confirmada pelo jornal “Financial Times”.

O problema ocorreu no simulador que reproduz as condições de voo da aeronave 737 Max. O modelo da Boeing se envolveu em dois acidentes fatais nos últimos seis meses.

Saiba Mais: Menor demanda pelo 737 Max prejudica resultados da Boeing no 1T19

Neste fim de semana, a empresa confirmou que o software utilizado no simulador de treinamento do Max apresentou um erro ao reproduzir algumas condições de voo, inclusive as circunstâncias que levaram à queda do ET 302 da Ethipian Airlines, em 10 de março.

“A Boeing fez correções no software do simulador 737 Max e forneceu informações adicionais aos operadores de dispositivos para garantir que a experiência do simulador seja representativa em diferentes condições de voo”, informou a Boeing em um comunicado.

“Essas mudanças melhorarão a simulação de cargas de força na roda de compensação manual. A Boeing está trabalhando de perto com os fabricantes de dispositivos e reguladores sobre essas mudanças e melhorias, e para garantir que o treinamento do cliente não seja interrompido ”, afirmou a companhia.

O erro com o simulador foi noticiado pela primeira vez pelo jornal “New York Times”. Apesar do problema, a maioria das companhias aéreas não utiliza o simulador do Max para treinar seus pilotos. Em vez disso, as empresas usam a variante 737 NG. Os órgãos reguladores não obrigam treinamento em um simulador Max. Apenas uma companhia da América do Norte utiliza o simulador: a Air Canada.

Saiba mais: Boeing vai reduzir produção do 737 Max, modelo que caiu na Etiópia

Federal Aviation Administration (FAA), órgão regulador americano, não recomenda que as empresas treinem os pilotos em um simulador Max antes que os aviões voltem à operação. A previsão é que isso ocorra em agosto. A Boeing já desenvolve um plano para restabelecer as atividades do 737, incluindo o treinamento de pilotos.

Nos últimos meses, divulgações revelaram problemas de projeto no 737 Max, tanto no sistema anti-stall , que é conhecido como o sistema de aumento de características de manobra, quanto falhas em sistemas de segurança.

Entenda o caso

Investigações apontaram uma falha no sistema no modelo da Boeing que provocou a queda dos aviões da Lion Air, ocorrida em outubro. E também da Ethiopian Airlines, que caiu em março.

O Boeing saía de Addis Ababa, na Etiópia, com destino a Nairóbi, capital do Quênia. Operado pela Ethiopian Airlines, o avião caiu seis minutos após levantar voo.

Saiba Mais: Boeing vai reduzir produção do 737 Max, modelo que caiu na Etiópia

Em outubro passado, um mesmo modelo caiu na costa da Indonésia, causando a morte de 189 pessoas a bordo. Os dois episódios, portanto, aconteceram num período de cinco meses e acenderam o alerta do mercado.

Por conta disso, alguns países decidiram restringir o uso do Boeing 737 MAX em seus territórios, sendo eles:

  • Reino Unido;
  • União Europeia;
  • Omã;
  • Malásia;
  • China;
  • Indonésia;
  • Coréia do Sul;
  • Mongólia;
  • Austrália.

A Boeing tem trabalhado para uma reformulação do sistema que acionou erroneamente o sensor. Em breve a empresa conduzirá um voo de certificação da FAA.

Compartilhe a sua opinião

Renan Dantas
Escreve sobre política e mercado financeiro para o portal Suno Notícias. Antes, atuou na assessoria de comunicação do Ministério Público do Trabalho e na Rádio Mackenzie, onde apresentava e produzia um programa sobre artistas da música brasileira. É estudante na Universidade Presbiteriana Mackenzie.