BB Seguridade tem lucro liquido de R$ 1 bi no primeiro trimestre, alta de 11,7%

BB Seguridade tem lucro liquido de R$ 1 bi no primeiro trimestre, alta de 11,7%
BB Seguridade registra alta de 18,5% no lucro líquido no 2ºT19

A BB Seguridade (BBSE3) fechou o primeiro trimestre com lucro liquido ajustado de R$ 1 bilhão, uma alta de 11,7% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 907,389 milhões). Dessa forma, o lucro da empresa voltou ao patamar do bilhão após registrar dois trimestres seguidos na casa dos milhões.

De acordo com a BB Seguridade, a alta foi puxada pela evolução de 60,8% do resultado financeiro combinado pelas empresas do grupo, impulsionado pela deflação do índice IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) durante o período de atualização das reservas dos planos.

Saiba mais: BB Seguridade tem queda de 10,7% no lucro líquido do 4º tri

Além disso, a elevação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor)  ajudou o resultado financeiro da Brasilprev, que são os planos de previdência oferecidos pela empresa.

Por outro lado, os prêmios de arrecadações caíram durante os três primeiros meses do ano. O valor foi de R$ 11,189 bilhões, queda de 12,12% em relação ao ano passado.

De acordo com a BB Seguridade, os prêmios de seguros no canal bancário obtiveram uma elevação de 15,4% em comparação com o ano passado. Houve crescimento nos seguros de:

  • vida (9,0%)
  • habitacional (10,1%)
  • residencial (9,6%)

Os títulos de capitalização tiveram alta de 6,2% na arrecadação, com R$ 1,2 bilhão e um saldo de R$ 8,8 bilhões. A comparação é com o mesmo período do ano passado.

O patrimônio líquido somou R$ 7,792 bilhões, 20,5% menor do que em relação ao ano passado. Porém, o número é 14,1% maior do que em 2018. Já o retorno ajustado (RSPL) foi de 58,9% no primeiro trimestre, uma alta de 18,5 pontos percentuais em um ano. No trimestre passado, o BB Seguridade fechou o RSPL em 41,4%.

Saiba mais: Banco do Brasil terá lucro extra de R$ 466 milhões graças ao BB Seguridade

A BB Seguridade totalizou R$ 7,803 bilhões em ativos totais no primeiro trimestre, uma queda de 20,4% em um ano. Em relação ao quarto trimestre de 2018, houve redução de 28,4%.

Renan Dantas

Compartilhe sua opinião