Banco Mundial: 25 mi perderam emprego na América Latina durante pandemia

Banco Mundial: 25 mi perderam emprego na América Latina durante pandemia
Banco Mundial: 25 mi perderam emprego na América Latina durante pandemia

Vice-presidente do Banco Mundial (BM) para América Latina, Carlos Felipe Jaramillo, informou nesta segunda-feira (28) durante entrevista transmitida pelas redes sociais da instituição, sua estimativa de que 25 milhões de pessoas perderam o trabalho durante a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“Este é o momento de repensar o emprego, criando mais e melhores trabalhos e investindo na educação e formação”, defendeu o vice-presidente do Banco Mundial.

Jaramillo também ressaltou que a pandemia da Covid-19 acelerou tendências antigas, entre elas o processo de desindustrialização, que acentua desigualdades econômicas. “Não quer dizer que o setor industrial irá desaparecer, mas que o de serviços vai ser o que mais vai gerar empregos no futuro. E esses empregos requerem mais habilidades”, concluiu.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Recuperação econômica pós-coronavírus pode levar 5 anos, diz Banco Mundial

Segundo o Banco Mundial (BM), a recuperação econômica global frente à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) pode levar um período de até cinco anos. A previsão foi revelada no dia 17 de setembro deste ano pela economista-chefe do banco, Carmen Reinhart.

“Provavelmente haverá uma recuperação rápida quando todas as medidas de restrição relacionadas aos bloqueios [para conteção ao coronavírus] forem suspensas, mas uma recuperação completa levará até cinco anos”, afirmou a economista em participação remota em evento realizado em Madri, na Espanha.

Saiba Mais: Recuperação econômica pós-coronavírus pode levar 5 anos, diz Banco Mundial

Para Reinhart, a recessão causada pela doença durará mais em determinados países do que em outros e ainda agravará a desiguldade. Isso correrá porque, de acordo com a economista, os mais pobres serão atingidos de forma mais intensa pela crise que nos países ricos, desta forma, os países mais pobres serão mais impactados do que os países mais ricos, declarou.

Além disso, a economista-chefe do Banco Mundial pontuou que a pandemia fará com que, pela primeira vez nas últimas duas décadas, as taxas de pobreza global aumentarão em consequência da crise.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião