Negócios

Banco Inter registra crescimento do lucro líquido de 16,8% em 2019

0

O Banco Inter (BIDI3; BIDI4) divulgou nesta quarta-feira (12) os resultados do quarto trimestre de 2019 e de todo o ano passado. O lucro líquido cresceu 16,8% em 2019, em relação ao ano anterior, alcançando R$ 81,6 milhões.

Em relação ao 3T19, o lucro líquido registrou um crescimento de 109,1%, alcançando R$ 24,7 milhões no período. O Banco Inter informou que superou a marca de 4 milhões de contas digitais abertas, com um crescimento de 180% em 2019. Um crescimento de mais de 13 mil novas contas por dia útil em dezembro de 2019.

Segundo o Banco Inter, “evolução do lucro líquido é resultado do crescimento da base de clientes e dos esforços do Banco Inter em diversificar os produtos e serviços a eles oferecidos”.

As receitas totais chegaram a R$ 1,0 bilhão em 2019, um crescimento de 39,8% em relação ao ano anterior. No quatro trimestre do ano o crescimento foi de 52,1%, chegando a R$ 322,9 milhões.

O resultado das receitas de serviços foi de R$ 74,3 milhões no 4T19 e R$ 213 milhões no total do ano. Os depósitos à vista superaram R$ 2,1 bilhões, com um crescimento anual de 238%, superior ao crescimento do número de contas.

Saiba mais: Banco Inter chega a 4 milhões de clientes

Em 2019 os ativos sob custódia (AuC) fecharam 2019 em R$ 16,6 bilhões um crescimento anual de 143%. O Custo de Servir por cliente (Opex por cliente) caiu 37,3% quando comparado ao 4T18, atingindo R$169 no 4T19. 

Banco Inter supera recordes de contas abertas

No começo de janeiro, o Banco Inter tinha divulgado a abertura de 807 mil novas contas no último trimestre de 2019: um recorde do banco. Em comparação ao mesmo período de 2018, o número é 95% superior e foram mais de 13 mil contas abertas por dia útil no último mês de 2019.

O banco bateu a marca de 4,1 milhões de correntistas no fim de 2019, apresentando uma elevação de 180% em relação a 2018. Já em relação aos clientes ativos, o valor foi de 2,3 milhões, avançando 169%. Na Plataforma Aberta Inter (PAI), de investimentos, o número de clientes ativos chegou a 425 mil, crescimento anual de 269%.

Saiba mais: Banco Inter registra 807 mil novas contas no 4T19 e bate recorde

A originação de crédito pelo Banco Inter também bateu recordes, com R$ 4,3 bilhões em 2019 e R$ 1,4 bilhão no quarto trimestre, altas de 75% e 86%, respectivamente. Na modalidade “Empresas”, foram registrados R$ 2,1 bilhões no ano e R$ 697 milhões no trimestre, elevações de 83% e 82%.

O crédito imobiliário do Inter teve produção de R$ 1,2 bilhão em 2019 e R$ 330 milhões somente entre outubro e dezembro, com crescimentos anuais de 47% e 38%. O consignado teve originação de R$ 996 milhões no ano, com uma alta de 105%, e de R$ 356 milhões no quarto trimestre, com crescimento de 194%.

Isenção de tarifas bancárias

O maior crescimento da história do Banco em termos de atração de novos clientes. O número de correntistas aumentou graças também a isenção de tarifas bancárias.

Segundo a Pesquisa de Economia Inter, que calcula periodicamente o número de operações gratuitas realizadas pelos correntistas, a economia total dos clientes do banco superou R$ 2 bilhões em 2019. Mais do que o triplo do que registrado em 2018, quando o montante tinha sido de R$ 668 milhões.

No levantamento, o Banco Inter considerou:

  • volume de transações
  • custos de manutenção
  • valores cobrados pelo mercado para a utilização de um pacote completo de produtos e serviços.

Cada correntista deixou de pagar, em média, R$ 971,55 em tarifas bancárias por ano no Banco Inter. Ou cerca de R$ 80,96 por mês. Da economia total, 55,6% correspondem às taxas de anuidade de cartão e de manutenção de conta e os outros 44,4% a transações como saques, TEDs, emissão de boletos e outros serviços bancários.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe do SUNO Notícias. Italiano, formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. Concluiu também um MBA em Finanças na B3. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.