Banco do Brasil confirma pagamento de JCP após fechamento do 1º semestre

Banco do Brasil confirma pagamento de JCP após fechamento do 1º semestre
Banco do Brasil

O Banco do Brasil (BBSA3) confirmou, em fato relevante divulgado nesta quinta-feira (7), que efetuará o pagamento da remuneração através de juros sobre o capital próprio (JCP). A distribuição dos proventos será realizada após o fechamento do resultado do 1º semestre.

O pagamento do JCP será feito de acordo com a periodicidade mínima e “outras disposições definidas no artigo 48 do Estatuto Social. Dessa forma não serão efetuadas antecipações intermediárias comumente distribuídas pelo Banco do Brasil.

Veja também: Garanta acesso ao Suno One, a central de informações para quem quer aprender a investir. Acesse gratuitamente clicando aqui.

Adicionalmente, o Banco do Brasil também informou que pagou R$ 517.440.000,00, no dia 31 de março, sob a forma de JCP. O valor é referente a antecipação da remuneração aos acionistas sob o resultado relativo ao 1º trimestre.

Queda da 20% no lucro do Banco do Brasil

O BB divulgou, na manhã desta quinta-feira (7), seu resultado referente ao primeiro trimestre deste ano. O lucro líquido ajustado da instituição financeira foi de R$ 3,395 bilhões, uma queda de 20,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Nos primeiros três meses de 2019, o banco registrou um lucro de R$ 4,625 bilhões.

O lucro líquido contábil do Banco do Brasil também apresentou queda, de 20%, ficando em R$ 3,205 bilhões. Em relação ao quarto trimestre de 2019, quando os ganhos contábeis foram de R$ 5,694 bilhões, a queda é de 43,7%.

“A geração de negócios permaneceu forte, evidenciada pelo crescimento de 15,4% do resultado estrutural na comparação com o 1º. trimestre do ano passado. O resultado estrutural é composto pelo produto bancário e pelas despesas operacionais totais”, afirmou a direção do banco.

A margem financeira bruta do Banco do Brasil cresceu em 9,9% na comparação anualizada, somando R$ 14,005 bilhões. Em relação ao quarto trimestre, a baixa foi de 1,8%. As despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PDD) subiram 63,3% na comparação de ano para ano, a R$ 5,539 bilhões.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião