Banco do Brasil (BBAS3) pagará R$ 293 milhões em JCP

Banco do Brasil (BBAS3) pagará R$ 293 milhões em JCP
O Banco do Brasil (BBAS3) informou que seu conselho diretor aprovou o pagamento de R$ 293.382.352,94 em JCP

O Banco do Brasil (BBAS3) informou ao mercado nessa sexta-feira (28), através de fato relevante, que seu conselho diretor aprovou o pagamento de R$ 293.382.352,94 em juros sobre capital próprio (JCP) relativos ao terceiro trimestre de 2020.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

O Banco do Brasil explicou no documento que os JCP serão pagos no dia 30 de setembro e terão como base a posição acionária de 11 de setembro. Nesse sentido, as transferências de ações a partir de 14 de setembro serão efetuadas ‘ex’ JCP. Ademais, o valor bruto por ação será de pouco mais de R$ 0,102.

A companhia destacou que “esse valor será imputado ao dividendo mínimo obrigatório referente ao 2º semestre de 2020, nos termos do artigo 48 do Estatuto Social do Banco do Brasil S.A. e do parágrafo 7º do artigo 9º da Lei 9.249/95″.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Além disso, a instituição explicou que “haverá retenção de imposto de renda na fonte sobre o valor nominal de acordo com a legislação vigente. Os acionistas dispensados da referida tributação deverão comprovar esta condição até 15/09/2020, em uma das agências do BB”.

Resultados do Banco do Brasil no 2T20

O BB registrou lucro líquido de R$ 3,2 bilhões no segundo trimestre deste ano. Esse valor, em comparação com o mesmo período em 2019, representa queda de 23,7%, quando havia registrado R$ 4,2 bilhões.

Já o lucro líquido no primeiro semestre de 2020 totalizou R$ 6,4 bilhões, baixa de 21,9%, quando comparado com o primeiro semestre do Banco do Brasil no ano passado, que havia somado R$ 8,2 bilhões.

“O resultado foi influenciado, principalmente, pela resiliência da margem financeira bruta, pressão nas receitas com prestação de serviços, diminuição das despesas com risco legas e aumento da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD)“, explicou o BB.

O Retorno sobre o Patrimônio Líquido (RSPL) do Banco do Brasil alcançou 11,9% no segundo trimestre. O índice de Basileia foi de 18,7%, e o índice de capital nível I de 14,7%, sendo 10,56% de capital principal.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião