Política

Banco Central: não há projetos sobre moeda única com a Argentina

0

O Banco Central (BC) informou em nota que não há estudos sobre a criação de uma moeda única com a Argentina. A informação foi divulgada pela instituição nesta sexta-feira (7), poucas horas antes do presidente da República, Jair Bolsonaro, falar sobre o tema em Buenos Aires.

Saiba mais: Bolsonaro e Guedes falam sobre criação de moeda única com a Argentina 

Em nota divulgada em seu site, o Banco Central informou que “não tem projetos ou estudos em andamento para uma união monetária com a Argentina”. Segundo a instituição monetária, “há tão somente, como é natural na relação entre parceiros, diálogos sobre estabilidade macroeconômica, bem como debates acerca de redução de riscos e vulnerabilidades e fortalecimento institucional”.

Presidente apresentou a ideia

Bolsonaro tinha anunciado o primeiro passo para a criação de uma moeda única para o Brasil e a Argentina, que se chamaria “peso real”.

Segundo Bolsonaro, o responsável pela ideia é o ministro da Economia, Paulo Guedes. “Já falei para vocês que meu forte não é economia. Nós acreditamos no ‘feeling’, na bagagem, no conhecimento e no patriotismo do Paulo Guedes”, explicou o presidente.

Saiba mais: Bolsonaro visita Argentina nesta quinta-feira; entenda o que será tratado

“Paulo Guedes nada mais fez do que dar um primeiro passo para um sonho de uma moeda única na região do Mercosul, peso real” afirmou o presidente da República, explicando como Brasil e Argentina poderiam ter uma divisa única como na União Europeia, “Como aconteceu o euro lá atrás, pode acontecer o peso real aqui”.

Sobre o eventual preço que o Brasil pagaria caso seja criada uma moeda única com os argentinos, o presidente disse que “em todo casamento alguém perde alguma coisa e ganha outras”.

Ideia interessa os argentinos

Segundo o ministro da Economia, a ideia interessa mais os argentinos.

“Quem está querendo são eles, os argentinos estão animadíssimos. Nós estamos pensando, conversando e conjecturando. Eles abraçaram, aparentemente, a ideia”, afirmou Guedes, salientando a necessidade de uma convergência de políticas econômicas antes da criação de uma moeda comum, “a Argentina, parece, vai zerar o déficit este ano. O Brasil está com um déficit pior ainda.”

A criação da moeda única entre os países é discutida desde a criação do Mercosul, nos anos 90. Entretanto, até o momento não havia sido tomada nenhuma decisão sobre o projeto por conta das diferenças de políticas de câmbio dos países membros.

No final de abril, o tema havia sido discutido em uma reunião realizada por membros do governo brasileiro no Rio de Janeiro junto com o ministro da Economia da Argentina e idealizador do plano, Nicolás Dujovne.

Segundo o jornal argentino “La Nación”, as negociações começaram ainda antes, em Washington, nos EUA. Naquela ocasião, Guedes e Dujovne se encontraram em uma assembleia do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Segundo o Ministério da Economia argentino, uma moeda única entre os dois países seria baseada nas características parecidas das duas economias. Brasil e Argentina estariam expostos aos mesmos choques de preços, principalmente de commodities. E, uma divisa única permitiria incrementar o comércio bilateral. Entretanto, surgiriam outros problemas, como a necessidade de criar um Banco Central unificado ou o alinhamento das políticas fiscais de ambos os parceiros do Mercosul.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.