Banco Central: Crédito bancário registra crescimento de 0,7% em março

Banco Central: Crédito bancário registra crescimento de 0,7% em março
Medida Provisória de transferência do Coaf é publicado no Diário Oficial

O crédito bancário voltou a crescer em março, subindo 0,7% em relação a fevereiro, de acordo com o Banco Central (BC), nesta sexta-feira (26). Essa é a segunda alta seguida.

Dessa forma, o volume total dos empréstimos feitos pelas instituições financeiras foi de R$ 3,267 trilhões em março, enquanto em fevereiro havia atingido os R$ 3,243 trilhões. Durante o primeiro trimestre de 2019, o crédito bancário registrou uma alta de 0,3%.

Saiba mais: Dívida pública cresce 1,15% em março e chega a R$ 3,91 trilhões

Operações físicas, jurídicas e livres

O saldo das operações com pessoas físicas ficou em R$ 1,827 trilhão, um crescimento de 0,6% durante o mês de março quando comparado a fevereiro. De acordo com o Banco Central, no primeiro trimestre o saldo das operações subiu 2%.

As operações com pessoas jurídicas, registrou uma alta de 0,8% em março quando comparada ao mês de fevereiro, ficando com um saldo de R$ 1,439 trilhão. No entanto, o crédito bancário destinado a esse setor aponta uma queda de 1,7% durante o primeiro trimestre deste ano.

Já o crédito livre, onde as taxas impostas partem de um acordo entre bancos e clientes, registrou uma alta de 1,4% em março, enquanto o direcionado permaneceu estável.

Estimativa de alta para 2019

O Banco Central aumentou de 6% para 7,2% a previsão de crescimento do crédito bancário neste ano, de acordo com relatório de inflação divulgado pela própria instituição no último mês.

Em 2018, após dois anos de queda, o crédito bancário voltou a crescer, atingindo um volume total em estoque de R$ 3,26 trilhões, alta de 5,5%.

De acordo com o Banco Central, a estimativa de crescimento do crédito bancário para 2019, tem como base o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estimado em 2% para este ano, devido ao “ambiente com inflação baixa e estável” além da manutenção das taxas de juros em patamares baixos.

Renan Bandeira

Compartilhe sua opinião