Banco Central anuncia o lançamento de cédula de 200 reais

Banco Central anuncia o lançamento de cédula de 200 reais
Tarifas bancárias sobem até 393%; saiba como se livrar delas

O Banco Central (BC) anunciou o lançamento da cédula de 200 reais, que deve entrar em circulação a partir do final de agosto. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou a introdução da nova cédula nesta quarta-feira (29).

A autoridade monetária central prevê que, em 2020, sejam impressas 450 milhões de novas cédulas de 200 reais, que terão como personagem o lobo-guará. O animal escolhido para a cédula foi baseado em pesquisa de opinião.

“Em 2001, o Banco Central fez uma pesquisa junto à população tendo como base lista de animais em extinção, sobre quais ela gostaria de ver representado no dinheiro. Em primeiro lugar da pesquisa, foi a tartaruga marinha, hoje na nota de R$ 2. Em segundo, o mico-leão dourado, representado cédula de R$ 20. E o terceiro animal mais votado foi o lobo-guará.” disse Carolina de Assis Barros, diretora de administração do BC.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

De acordo com a diretora de Administração do Banco Central, Carolina de Assis Barros, a pandemia causou uma maior demanda por numerários, não só no Brasil, porém também no resto do mundo. Consequentemente, as casas de impressão foram desafiadas a criar mais cédulas.

O Banco Central entende que a quantidade de moedas em circulação é adequada. A instituição considera que o momento é oportuno ao considerar a importância que as cédulas têm para a população brasileira. Isso faz com que seja aprovada a destinação de R$ 113,4 milhões para a impressão de 450 milhões de cédulas de 200 reais e 170 milhões de cédulas de 100 reais.

Veja também: Banco Central: recuperação econômica não deve ser em ‘V completo’

“O lançamento da nota é um processo pré-existente. O Banco Central está agindo preventivamente para um possível aumento da demanda de numerário (cédulas) da população. E poderemos reduzir custos de logística e distribuição de numerário pelo país, dado que temos dimensões continentais”, informou Carolina Assis de Barros.

Para o Banco Central, a medida anunciada não concorre com a atualização dos meios de pagamento digitais, já que a instituição está considerando a demanda pelo meio circulante. Dessa forma, a impressão e a oferta de cédulas pode diminuir no futuro, se a população indicar uma menor demanda por papel-moeda.

O Banco Central também informou que a criação do meio circulante no Brasil aumentou bruscamente, como consequência dos efeitos da pandemia do coronavírus (covid-19). Dessa forma, a autoridade monetária considera que a impressão será uma medida temporária para responder a conjuntura atual no país, que pede por mais cédulas.

Veja também: Banco Central antecipa processo de cadastramento no PIX para outubro

A diretora utilizou a videoconferência para reafirmar inúmeras vezes a necessidade do Banco Central para corresponder à demanda da população por cédulas. Adicionalmente, a cédula de 200 reais está em testes, e a imagem não será divulgada por enquanto, por questões de segurança.

Daniel Guimarães

Compartilhe sua opinião