Negócios

Avianca: Julgamento de leilão de slots é adiado para a próxima semana

0

A Avianca teve seu julgamento adiado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, nesta segunda-feira (10). A sessão deveria decidir sobre a nova data do leilão dos slots da companhia aérea, mas foi cancelado pela falta dos desembargadores. Agora, o colegiado deve se reunir na próxima segunda, dia 17.

A Avianca está em recuperação judicial desde dezembro de 2018. Os credores da companhia aprovaram a proposta de recuperação que levaria à leilão os ativos divididos em sete unidades operacionais.

No entanto, o Tribunal poderia decidir que um novo processo de venda fosse proposta, ou então manter a suspensão do leilão e até mesmo decretar a falência da empresa aérea.

Crise da Avianca

A empresa passa por forte crise devido a inadimplência e viu seus aviões serem tomados por empresas de ‘leasing’. Além disso, a Avianca Brasil também deixou de pagar seus funcionários. Antes da crise, a empresa possuía 5,3 mil funcionários, deles 617 eram pilotos e 1,1 mil comissários.

Com a diminuição da frota, a empresa passou a ter problemas para manter suas operações nos slots e seu voos diários passaram a diminuir. Até que em 24 de maio, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), proibiu a aérea de realizar seus voos.

Saiba mais: Azul desiste de participar de leilão de slots da Avianca, diz diretor

Leilão cancelado em maio

Em 6 de maio deste ano, a primeira tentativa de leilão da Avianca Brasil foi suspensa pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). O desembargador Ricardo Negrão assinou para a suspensão do leilão, agendado para ocorrer no dia 7 de maio.

Na época, o pedido para cancelar o leilão foi feito pela credora Swissport, que, segundo a “Folha de S. Paulo”, mirava a anulação do plano de recuperação judicial aprovado pela assembleia de credores. A credora ainda questionava a legalidade de leiloar slots.

O plano de recuperação judicial da Avianca era questionado pela Swissport por conta da divisão dos slots em sete unidades produtivas. Esta proposta foi aceita em 5 de março, por 80% dos credores que compareceram à assembleia.

Compartilhe a sua opinião

Renan Bandeira
Renan Bandeira escreve sobre política e economia para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou em uma rede de televisão, onde fazia reportagens sobre os mesmos temas. Estuda na Universidade Metodista de São Paulo.