Argentina posterga anúncio da nova proposta de reestruturarão da dívida

Argentina posterga anúncio da nova proposta de reestruturarão da dívida
Fundo de hedge internacional critica as táticas de dívida da Argentina

A equipe econômica da Argentina decidiu adiar novamente o anúncio da nova proposta de reorganização da dívida pública. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (12) pela mídia argentina.

Esta é a quarta vez que o país vizinho prorroga a decisão sobre sua dívida pública desde maio. Dessa forma, as negociações com seus credores ocorrerão até o dia 16 de junho e a Argentina planeja divulgar um novo plano de pagamento até o final da próxima semana.

Segundo a mídia local, o anúncio deve incluir uma proposta para reestruturar aproximadamente US$ 65 bilhões (cerca de R$ 328 bilhões) em títulos da dívida acumulada pela Argentina.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Termina nesta sexta-feira o prazo extendido dado pelo governo para que sua equipe econômica divulgasse o plano. Para adiar o anúncio outra vez, o país deverá fazer um pedido à Securities and Exchange Commission (SEC).

Em maio, a Argentina marcou o nono default soberano após descumprir o pagamento de US$ 500 milhões (cerca de R$ 3 bilhões) em juros de dívida.

Argentina negocia com os credores privados internacionais

O ministro da Economia argentino Martín Guzmán, declarou no dia 15 de maio que o país tenciona obter um acordo de reestruturação da dívida que seja capaz de pagar.

O Exchange Bondholder Group informou, por meio de comunicado, que sua contraproposta apresentada no dia 15 de maio garante “um alívio significativo da dívida para a Argentina e, sem dúvida, fornece uma estrutura de dívida sustentável para o país em relação aos títulos”.

O grupo representa 18 instituições de investimento e corresponde a 15% dos Exchange Bonds do país vizinho.

Saiba mais: Argentina retoma renegociações com credores após 9º default

O ministro da Economia declarou no mês passado que as negociações estão em um caminho positivo, não obstante ainda existia uma “distância importante” para chegar a um acordo entre o governo da Argentina e os credores.

Daniel Guimarães

Compartilhe sua opinião