Negócios

Apple prestes a comprar os processadores de smartphones da Intel

0

A Apple estaria em negociações avançadas para comprar a divisão de microprocessadores de smartphones da Intel. Segundo o jornal norte-americano “The Wall Street Journal”, a operação teria um custo de US $ 1 bilhão ou mais pelo portfólio de patentes da Intel.

Se a compra for realizada a Apple poderá utilizar a tecnologia da Intel para desenvolver microprocessadores mais modernos. Uma vantagem competitiva importante para a próxima geração de tecnologia wireless do 5G.

Fontes próximas a negociação indicaram como possível que o negócio seja fechado em uma semana. As duas empresas estariam negociando essa transação há um ano. Entretanto, elas foram interrompidas em abril quando a Apple assinou um contrato de fornecimento com a rival da Intel, a Qualcomm.

A transação seria estrategicamente e financeiramente importante, pois garantiria à Apple acesso ao trabalho de engenharia da Intel, economizando potencialmente anos de trabalho de desenvolvimento.

Desenvolvimento de microprocessadores

A Apple está trabalhado para desenvolver microprocessadores para diferenciar ainda mais seus produtos. O objetivo é diferenciar o iPhone da concorrência. O smartphone é o produto que, há muito tempo, sustenta os lucros da empresa fundada por Steve Jobs.

Para levar adiante esse processo de pesquisa e desenvolvimento, a Apple contratou recentemente engenheiros, incluindo alguns da Intel. A empresa chegou a anunciar planos para um escritório de 1.200 funcionários em San Diego.

Por sua vez, para a Intel, um acordo permitiria se livrar de uma divisão que estava pesando nos resultados. A operação de smartphones estava perdendo cerca de US$ 1 bilhão por ano.

Segundo fontes próximas a empresa, o trabalho nesse segmento nunca atendeu as expectativas. Apesar de sair do negócio de smartphones, a Intel planeja continuar a trabalhar na tecnologia 5G em outros dispositivos.

Negociações anteriores

A Apple sempre foi relutante em realizar grandes compras no passado, preferindo adquirir cerca de 15 a 20 startups por ano que possuam tecnologia que possa ser facilmente integrada. Entretanto, com a desaceleração em seus resultados com o iPhone, a empresa se tornou mais aberta a negócios maiores.

Leia também: Apple registra aumento em participação no mercado chinês

A gigante gastou suas enormes reservas financeiras em recompras de ações e dividendos, mas ainda mantém uma caixa substancial, com cerca de US$ 113 bilhões disponíveis. Seu maior acordo continua sendo a aquisição, por US$ 3 bilhões, da Beats Electronics LLC em 2014.

A Apple deve divulgar seus resultados do terceiro trimestre fiscal na próxima semana. Os resultados da Intel devem chegar no final desta semana.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.