Apple investe US$ 400 milhões contra crise imobiliária na Califórnia

Apple investe US$ 400 milhões contra crise imobiliária na Califórnia
Apple investe US$ 400 milhões contra crise imobiliária na Califórnia

A Apple (NASDAQ: AAPL) comunicou nesta segunda-feira (13) que fez a alocação de mais de US$ 400 milhões (cerca de R$ 2,14 bilhões na cotação atual do dólar) dos US$ 2,5 bilhões para conter a crise imobiliária no estado da Califórnia, nos Estados Unidos.

A gigante do Vale do Silício havia prometido em novembro do ano passado o valor com o objetivo de abordar o que o seu presidente executivo, Tim Cook, chamou de “crise imobiliária existente” para moradores da Califórnia, estado de origem da Apple.

Dessa forma, a maioria dos primeiros US$ 400 milhões gastos neste ano foi direcionada para dois programas em que a companhia tem trabalhado com a Agência de Financiamento da Habitação da Califórnia. No primeiro, a empresa do setor de alta tecnologia forneceu recursos para dar suporte para as autoridades estaduais com o intuito de ampliar sua capacidade de financiar projetos de moradias populares com títulos isentos de impostos.

Veja também: Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Ao passo que no segundo programa a Apple trabalhou por meio da agência para auxiliar o fornecimento de assistência hipotecária e o pré-pagamento a centenas de novos compradores de empreendimentos. O programa de assistência hipotecária é voltado a compradores residenciais de baixa renda.

Apple e Housing Trust Silicon Valley se unem para criar moradias populares

Além disso, a companhia está atuando junto a um grupo público-privado norte-americano chamado Housing Trust Silicon Valley para começar a trabalhar em quatro projetos na área da Baía de San Francisco.

Saiba mais: Por que Apple e Samsung podem retirar o carregador da embalagem dos smartphone

Com isso, a Apple espera criar 250 novas unidades de moradias populares na região, muitas dessas deverão ser reservadas a militares veteranos, moradores de rua e pessoas com deficiências.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião