American Express poderia dar home office até o final do ano

American Express poderia dar home office até o final do ano
American Express poderia dar home office até o final do ano

O presidente executivo da American Express, Steve Squeri, afirmou nesta segunda-feira (18) que grande parte de seus funcionários irá trabalhar à distância, em regime de home office,  até o final deste ano.

De acordo com a empresa emissora de cartões de crédito, a medida tem como objetivo a mitigação dos impactos do novo coronavírus (covid-19). Squeri pontuou que a American Express está preparada para manter metade dos funcionários na maioria dos lugares até o final do ano.

Garanta acesso gratuito à eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas com um único cadastro. Clique para saber mais!

“Vamos limitar o número de pessoas nos elevadores e agendar horários para chegadas e partidas”, detalhou Squeri. “E coberturas no rosto serão necessárias quando você estiver entrando e se movimentando pelo prédio”.

Por outro lado, o CEO da empresa declarou em videoconferência não esperar que “chegue perto da marca de 50% até o final de 2020 “. A American Express possui 64,5 mil empregados em todo o mundo, porém sua sede está baseada em Manhattan, atual epicentro da pandemia nos Estados Unidos. Conforme documentos regulatórios, a companhia ainda apresenta escritórios em Salt Lake City, em Phoenix e em Sunrise e na Flórida.

Dessa forma, segundo Squeri, o ambiente de trabalho deverá ser completamente diferente do que os funcionários deixaram no começo deste ano, quando cresceram o casos da covid-19 nos Estados Unidos.

“Se você pode trabalhar em casa e não quer ir ao escritório, não precisa”, salientou o presidente da empresa. “De fato, se você puder trabalhar em casa com eficiência, planeje fazê-lo pelo resto do ano”.

American Express tomará ações para regime presencial

O presidente executivo da American Express também comunicou que a empresa terá procedimentos para garantir a distância entre os funcionários e evitar aglomerações.

A companhia não irá permitir reuniões em salas de conferências, ao tempo que visitantes e contratados não terão a entrada permitida nas unidades. No mesmo sentido, os funcionários não poderão permanecer na lanchonete. A comida será entregue diretamente nos andares.

A American Express também está otimizando os seus sistemas de ar condicionado, bem como melhorando seus protocolos e procedimentos de limpeza em suas plantas.

“A chave aqui é que o retorno ao escritório não acontecerá de uma só vez”, destacou o CEO da empresa. “Vamos abrir prédios local por local, andar por andar e colega por colega, pois cada local e andar é diferente”.

Saiba mais: AmEx anuncia corte de US$ 3 bilhões nos investimentos

A multinacional emissora de cartões de crédito também assumiu o compromisso de não eliminar empregos neste ano em função da pandemia. Não obstante, a empresa planeja cortar US$ 3 bilhões (cerca de R$ 17,16 bilhões) em despesas discricionárias, uma das maiores ações de redução de custos na história da companhia.

“Fizemos um ótimo trabalho ao sair de nossas instalações e administrar a empresa virtualmente”, afirmou o presidente da American Express durante a videoconferência. “Somos mais ágeis, flexíveis e menos burocráticos. Foi inspirador ver, e quero continuar assim”.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião