Negócios

Amazon fecha parceria com 3ª maior varejista da China para Black Friday

0

A Amazon fechou parceria com a Pinduoduo (PDD) para uma vitrine no aplicativo da terceira maior varejista da China na Black Friday.

O objetivo da Amazon é atrair consumidores chineses durante os três dias de promoções, que se inicia em 28 de novembro. A PDD só fica atrás da Alibaba e JD.com.

A parceria vai continuar até o final deste ano. Em comunicado, a empresa norte-americana informou que a loja PDD fornecerá aproximadamente 1 mil produtos de marcas estrangeiras.

A expectativa é que a Amazon atraia meio bilhão de compradores ativos anuais com a parceria.

Black Friday Suno – pague 2 anos e leve 3 nas principais assinaturas da Suno Research

O gerente de pesquisa e estratégia da consultoria chinesa Shanghai Agency, Michael Norris, disse à agência de notícias Reuters que a ação também beneficiará a PDD.

“A ação funciona desproporcionalmente a favor da Pinduoduo”, funcionará porque é “um espaço para os consumidores comprarem produtos de marca e acelera os planos internos para serem ativos no comércio eletrônico global”, salientou Norris.

Amazon vai criar seu próprio supermercado em 2020

A Amazon anunciou que irá abrir uma rede de supermercados própria no próximo ano, diferente do Whole Food Market, que foi adquirido pela empresa em 2017. A ideia da companhia norte-americana é ter uma maior participação no mercado de alimentos.

Confira Também: Amazon não venderá mais roupas e tênis da Nike em seu site

Uma porta-voz da Amazon confirmou que a loja será aberta em 2020 e terá métodos convencionais de pagamento, diferente das lojas da Amazon Go, que não utilizam caixas.

A empresa do e-commerce comprou a Whole foods por US$ 13,7 bilhões há dois anos. Entretanto, no setor de alimentos a companhia ainda está longe de se consolidar. A marca Whole Foods vende apenas produtos saudáveis, o que não atinge tantas pessoas, e o novo supermercado da Amazon promete trazer diversos tipos de alimentos, o que foge um pouco dessa linha da Whole.

Especialistas esperavam que a Amazon abrisse uma nova rede de mercados onde produtos como Pepsi e Cheetos, muito vendidos pelo Walmart nos EUA, pudessem ser comercializados.

Compartilhe a sua opinião

Poliana Santos
Poliana Santos escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, colaborou na Rádio Gazeta AM, onde era responsável pela produção do programa Bom Dia Gazeta. É estudante da Faculdade Cásper Líbero.