Negócios

Alibaba expande operações e visa o mercado europeu

0

O Alibaba, principal varejista da China, irá iniciar suas operações na Europa. Após anos de pesquisa, a companhia pretender adentrar o mercado europeu cobrando taxas menores do que a norte-americana Amazon.

De acordo com o jornal “Valor Econômico”, uma imensa quantidade de pequenas empresas já aderiram à plataforma AliExpress, do mesmo criador do Alibaba, Jack Ma. No entanto, algumas das maiores companhias mostram-se receosas.

O AliExpress contatou marcas relevantes no mercado europeu como Mango, Benetton e o grupo de moda espanhol Tendam, dono da Cortefil. O intuito das conversas foi para que as empresas pudessem comercializar seus produtos através do site do AliExpress, mas o sucesso dessas negociações foi parcial. Algumas das empresas possuem a percepção de que o site não era a vitrine ideal para seus produtos.

Confira: Alibaba capta US$ 1,68 bilhão com lote adicional de ações em Hong Kong

Um representante de uma grande companhia de moda contatado pelo AliExpress afirmou que a sua marca precisava estar em um “ambiente de aspiração”, recusando a proposta de uma parceria. O AliExpress foi definido como um trabalho em andamento por outro executivo europeu.

Entretanto, o membro da diretoria do AliExpress, Wang Mingqiang, afirmou à Reuters em entrevista na sede do Alibaba em Hangzhou, que marcas estrangeiras precisam de tempo para entender a operação da empresa.

Estratégia do Alibaba na Europa

Com a liberdade para projetar suas próprias lojas dentro da plataforma, as marcas podem desenvolver sua própria página inicial, com fotos e vídeo, para criar a sensação que desejam, afirmou o executivo.

A princípio, o AliExpress tem como objetivo na Itália e Espanha. Com fortes marcas locais, como o mercado espanhol, a região é importante para o Alibaba cumprir a meta do CEO Daniel Zhang de mais do que dobrar sua base de clientes para 2 bilhões de pessoas em 2036, apesar da economia chinesa apresentar certa desaceleração.

Vender na Amazon custa 39 euros mensais, mais impostos sobre as vendas no país, sem considerar uma comissão por cada mercadoria vendida que vai de 7% a 15%.

Saiba mais: Alibaba abre capital em Hong Kong e avança em plano de expansão

Com base no Alibaba, o AliExpress cortou as taxas mensais para os vendedores espanhóis, enquanto as comissões pelos produtos vendidos são fixadas em 5% a 8%.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.