Airbnb em crise pede empréstimos de US$ 1 bi por causa do coronavírus

Airbnb em crise pede empréstimos de US$ 1 bi por causa do coronavírus
Anúncio vem à tona depois de vários meses de incerteza sobre o futuro do Airbnb

A plataforma de compartilhamento de imóveis Airbnb está enfrentando dificuldades por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19). A empresa teria pedido empréstimos por US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,20 bilhões) para fazer frente à queda do faturamento.

Por causa da quarentena que está mantendo confinada em casa mais da metade da população mundial, a Aibnb, junto com todo o setor de viagens, está enfrentando uma crise sem precedentes.

Suno One: O primeiro passo para alcançar a sua independência financeira

A recente entrada dos fundos Silver Lake e da Sixth Street Partners no capital da empresa, com um aporte de outro bilhão de dólares em dinheiro vivo, não foi suficiente para dissipar os temores sobre a resistência econômica futura da plataforma. Por isso, foi necessário pedir um empréstimo de outro bilhão de dólares.

Segundo fontes anônimas citadas pela Bloomberg e pelo Wall Street Journal, a duração do contrato seria de cinco anos, com uma taxa de juros de 7,5%. Além disso, seria um financiamento “first Lien”, ou seja no caso de um problema com a plataforma, esses credores seriam pagos primeiro.

Uma cláusula muito explicativa sobre as incógnitas com as quais o Airbnb está lidando atualmente, na esperança de que a situação da pandemia global se desbloqueie o mais rápido possível.

Cerca de 20 investidores institucionais participaram do empréstimo, o mais generoso dos quais teria sido a própria Silver Lake, junto com pesos pesados do mercado norte-americano, como

  • BlackRock;
  • Eaton Vance Corp.;
  • Fidelity Investments;
  • Oaktree Capital;
  • Apollo Global Management;
  • Benefit Street Partners;
  • T. Rowe Price;

Segundo uma nota divulgada pela própria plataforma, “os novos recursos garantirão à Airbnb a oportunidade de continuar investindo na empresa e em sua comunidade de anfitriões e convidados em mais de 220 países e regiões ao redor do mundo”.

O co-fundador e CEO do site, Brian Chesky, expressou grande satisfação em uma mensagem divulgada nas redes sociais. “Aprecio profundamente a confiança que tantos demonstraram em relação à nossa empresa, mesmo que o setor de viagens esteja passando pela tempestade da pandemia. Todas as ações que tomamos nas últimas semanas garantem que o Airbnb saia ainda mais forte dessa tempestade, independentemente de quanto tempo durará”, salientou o empresário.

Airbnb adia abertura de capital por coronavírus

As consequências negativas da pandemia do coronavírus atingiram em cheio a plataforma no ano em que a Airbnb planejava se cotar na Bolsa de Valores de Nova York. Um projeto que será adiado.

Saiba mais: Airbnb decide adiar abertura de seu capital por causa do coronavírus

Fundada há doze anos, o valor estimado da Airbnb estava em cerca de US$ 38 bilhões em 2018. Entretanto, considerando a situação, as últimas rodadas avaliaram o site em “apenas” 18 bilhões: menos da metade.

As atuais prioridades da diretoria são terminar de reembolsar os hóspedes que tiveram que cancelar suas reservas por causa do vírus e apoiar financeiramente os anfitriões mais penalizados. Uma operação que vai custar mais de US$ 250 milhões.

Resta então entender o que será feito com o restante do capital, que segundo alguns analistas poderia ser utilizado pela Airbnb para concluir novas aquisições e obter fontes alternativas de receitas.

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião