Negócios

Agenda do Dia: reforma da Previdência; Vale; Bolsas internacionais; lei do fim do Uber

0

Os assuntos da Agenda do Dia desta quinta-feira (3) prometem agitar o mercado interno e externo.

A Agenda do Dia começa com a reforma da Previdência, aprovada no Senado em primeiro turno, deve ter a votação em segundo turno concluída apenas na segunda quinzena de outubro. A Vale planeja gastar R$ 1,1 bilhão com Brumadinho este ano.

A Agenda do Dia conta também com a notícia sobre a rejeição da proposta de lei que limitava a taxa de aplicativos de transporte, como o Uber.

Confira os principais pontos da Agenda do Dia:

Reforma da Previdência

A reforma da Previdência foi aprovada pelo plenário do Senado em primeiro turno na noite da última terça-feira (1). Entretanto, a votação definitiva deverá ocorrer apenas na segunda quinzena do mês.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, previa uma votação até o dia 10. Entretanto, desacordos entre parlamentares e governadores sobre a partilha do excedente da cessão onerosa de petróleo pode acabar adiando a votação.

O governo já expressou preocupação com o trâmite da reforma, considerada fundamental para a sustentabilidade das contas públicas federais. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também está preocupado com a redução do impacto fiscal da reforma da Previdência.

A preocupação do ministro foi motivada pela alteração no texto da reforma da Previdência que reduz a economia da medida em R$ 76,4 bilhões.

Vale

A Vale (VALE3; VALE4) informou na última quarta-feira (2) que gastará cerca de US$ 1,15 bilhão para enfrentar os custos ligados ao desastre de Brumadinho (MG). O rompimento da barragem no dia 25 de janeiro provocou a morte de 250 pessoas e o desaparecimento de outras 20.

A mineradora também reviu suas projeções sobre os resultados operacionais previstos para 2019. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) deverá estar entre US$ 10,8 bilhões e US$ 12,9 bilhões.

Esse valor não contabiliza os US$ 6 bilhões já provisionados pela Vale para Brumadinho. O resultado do terceiro trimestre da mineradora será divulgado no dia 24 de outubro. Em 2018, a empresa obteve um Ebitda ajustado de US$ 16,5 bilhões, superior ao resultado de US$ 15,3 bilhões de 2017.

Bolsas internacionais em queda

As Bolsas de Valores internacionais fecharam em forte queda nesta quinta-feira. Os investidores estão preocupados com eventuais pioras da guerra comercial, que parece ter atingido um novo patamar com as tensões entre Estados Unidos e União Europeia (UE).

Na Ásia os mercados da China estão fechados por causa do feriado dos 70 anos da proclamação da República Popular. Entretanto, as bolsas do Japão em da Austrália terminaram o dia registrando fortes perdas.

Saiba mais: OMC autoriza os EUA a imporem tarifas de R$ 7,5 bi em produtos europeus

A decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) de autorizar os EUA a impor tarifas alfandegárias contra os produtos europeus impactaram esses resultados. Washington vai impor sobretaxas de 10% sobre aviões e 25% sobre vinhos, uísques e queijos de vários países europeus. As tarifas entrarão em vigor no próximo 18 de outubro.

Câmara rejeita “lei do fim do Uber”

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados rejeitou na última quarta-feira o projeto de lei conhecido como “lei do fim do Uber”.

O projeto pretendia limitar a comissão máxima recebida por aplicativos de transporte individual de passageiros, como Uber ou 99 Taxi. Atualmente esses aplicativos cobram por corrida realizada.

A comissão rejeitou o texto com um parecer contrário, aprovado por 18 votos a 6. Entretanto, a proposta não foi arquivada, e vai tramitar em em outras duas comissões, necessitando passar pelo plenário da Câmara para ser aprovada.

A Agenda do Dia da Suno mostra os principais acontecimentos que prometem movimentar o mercado durante o dia.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.