Confira a agenda de balanços trimestrais desta semana

Confira a agenda de balanços trimestrais desta semana
O Ibovespa abriu em leve queda nesta quinta-feira (17), ainda digerindo as decisões de política monetária.

Em meio às incertezas causadas pelo coronavírus, os investidores mostram-se atentos aos balanços corporativos do segundo trimestre deste ano. É esperado que os impactos da pandemia tenham se intensificado no fim de março, pouco contabilizando para o primeiro trimestre.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Com o período de divulgações iniciado em meados de julho, os balanços de abril a junho devem apresentar aos acionistas os impactos gerados pela crise de forma mais ampla, a depender do modelo de negócios e sua exposição à economia doméstica e global.

As empresas listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) têm até o fim de agosto para divulgarem seus números resultantes do segundo trimestre. Veja quais empresas apresentarão seus resultados nesta semana:

EmpresaTickerData
PetroRioPRIO33/8
BB SeguridadeBBSE33/8
MarcopoloPOMO33/8
Itaú UnibancoITUB43/8
Porto SeguroPSSA33/8
Banco PanBPAN44/8
AlpargatasALPA44/8
IguatemiIGTA34/8
EnautaENAT35/8
Gerdau MetalúrgicaGOAU45/8
GerdauGGBR45/8
EmbraerEMBR35/8
TotvsTOTS35/8
BR PropertiesBRPR35/8
BraskemBRKM65/8
KlabinKLBN115/8
SulAméricaSULA115/8
TegmaTGMA35/8
AES TietêTIET115/8
Burger King BrasilBKBR36/8
TendaTEND36/8
TriunfoTPIS36/8
UnicasaUCAS36/8
Ouro FinoOFSA36/8
Banco ABC BrasilABCB46/8
Banco do BrasilBBAS36/8
Banco BMGBMGB46/8
IntermedicaGNDI36/8
ValidVLID36/8
M.Dias BrancoMDIA37/8
SaneparSAPR117/8
BIOMMBIOM37/8
OSX BrasilOSXB37/8

 

A Petrobras (PETR4) informou, na última quinta-feira, que teve um prejuízo de R$ 2,713 bilhões no balanço do segundo trimestre de 2020. No primeiro trimestre desse ano, o prejuízo havia sido de R$ 48,5 bilhões.

Dessa forma, a estatal reverteu o resultado anotado no segundo trimestre de 2019, quando tinha registrado um lucro líquido de R$ 18,866 bilhões. Entre abril e junho desse ano, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da companhia foi de R$ 24,986 bilhões, com uma queda de 23,5% na comparação anual.

Segundo a companhia, o resultado apresentado no segundo trimestre, é relexo, principalmente da “ausência de impairments no trimestre e ao ganho proveniente da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS após decisão judicial favorável, que teve um efeito de R$ 10,9 bilhões no resultado. Excluindo esses fatores, o resultado teria sido pior devido aos impactos da Covid-19 em nossas operações, com reflexo nos preços, margens e volumes”.

A Vale (VALE3), por sua vez, teve lucro líquido de R$ 5,289 bilhões no período e, com isso, reverteu o prejuízo apresentado de abril a junho do ano passado, de R$ 384 milhões. A receita líquida da empresa ficou em R$ 40,4 bilhões no segundo trimestre. O valor representa um crescimento de 12,3% frente ao resultado de R$ 36 bilhões registrado no mesmo intervalo do ano passado.

A companhia informou que seu resultado foi influenciado pela desvalorização do real frente ao dólar, além de ter notado um aumento do volume vendido e o maior preço do minério de ferro. Os investimentos da mineradora no segundo trimestre ficaram no valor de US$ 967 milhões. Do total, US$ 124 milhões foram utilizados para a execução de projetos e US$ 843 milhões na manutenção de operações.

Saiba mais: Confira a agenda completa de resultados do segundo de trimestre de 2020

Se as projeções se confirmarem, a economia brasileira enfrentará a pior recessão do último século em razão dos efeitos do coronavírus. A capacidade de resiliência das empresas dará conduzirá os balanços corporativos ao longo deste ano.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião