Acordo Mercosul-UE não avança na velocidade esperada, diz Uruguai

Acordo Mercosul-UE não avança na velocidade esperada, diz Uruguai
O presidente do Uruguai afirmou que o acordo entre o Mercosul e União Europeia avança, mas não como o esperado

O presidente do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, escreveu nesta segunda-feira (31) em sua conta oficial no Twitter que o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia (UE) continua a avançar, porém não na velocidade esperada.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“Minutos atrás, falei com a chanceler alemã, Angela Merkel. O acordo está avançando, embora não com a velocidade esperada”, afirmou o presidente do Uruguai. “Questões ambientais e processuais (além da pandemia) ainda precisam ser resolvidas. Concordamos em acompanhar nossas equipes e avaliar os resultados”, escreveu Lacalle Pou.

Os dois blocos assinaram no ano passado o acordo de livre-comércio entre os países membros, no entanto a validação do tratado ainda depende de uma ratificação de todas as nações envolvidas. Desde 1º de julho a chanceler alemã está a frente da presidência semestral do Conselho da União Europeia.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

As negociações para o acordo entre o Mercosul e a UE tiveram início há quase 20 anos, com diversos governos envolvidos nas conversas. Os diálogos, contudo, foram intensificados depois da eleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quando os europeus suspenderam negociações com o governo norte-americano e se voltaram para outros aliados comerciais.

Acordo Mercosul-UE parece estar “fazendo água”, diz Mourão

Em contraste com a fala do presidente do país vizinho, o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, afirmou na última semana que a articulação para o acordo entre os dois blocos parecida estar “fazendo água”.

O militar da reserva salientou que é importante mostrar para os países europeus que o Brasil se preocupa com as questões de meio ambiente. A postura do governo do presidente Jair Bolsonaro no combate ao desmatamento na Amazônia tem sido apontada por movimentos políticos ambientais europeus como uma das razões pelas quais a Europa ainda resiste à assinar o acordo junto ao Mercosul.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião