O poder dos juros compostos e da reaplicação de dividendos

Aula II - Minicurso de Dividendos Suno Research

TESTE POR 14 DIAS: Conheça nossos relatórios

Assine agora qualquer um dos nossos planos e tenha acesso a todos os nossos relatórios (inclusive os já enviados), com 14 dias de garantia total de devolução do seu dinheiro caso não fique satisfeito!

Os juros compostos, também conhecido como “juros sobre juros” são mecanismos poderosos de geração de riqueza no longo prazo, e frequentemente menosprezados pelos investidores e pelas pessoas em geral.

Einstein supostamente teria dito que os juros compostos são a oitava maravilha do mundo e a mais poderosa força do universo. De fato, não sabemos se essa frase pode ser de fato atribuída a Albert Einstein, mas concordamos que os juros compostos são fantásticos e poderosos.

Os juros compostos nada mais são do que juros que se acumulam sobre o capital principal e também sobre os juros já acumulados em um investimento, ao contrário dos juros simples, que são mecanismos de investimentos que o juro é cobrado apenas sobre o valor inicialmente investido, nos juros compostos os juros e o retorno são pagos sobre o montante atualizado, que inclui os juros já recebidos.

Dessa forma, um investimento que está sendo afetado pelos juros compostos, receberá os juros ou rendimentos de sua aplicação, e o próximo juro recebido será não apenas sobre o valor inicial, mas sobre o montante total, incluindo os juros. Dessa forma, os juros compostos possibilitam um efeito multiplicador poderoso e mais rápido.

Imagine que um investidor aplique R$ 10.000,00 em um investimento de juros simples (Uma Letra de Câmbio, por exemplo), com duração de 5 anos e que pague 0,80% ao mês líquido de IR. Esse investidor receberá R$ 80,00 por mês durante esses 5 anos, pois os 0,80% remuneram sempre sobre o capital inicialmente aportado, e não o acumulado. (Juros simples.)

Ao final desse período, o investidor teria recebido R$ 4.800,00, ou seja, um retorno total de cerca de 48% sobre o capital inicial.

No caso de um investimento com juros compostos, como a taxa incide sempre sobre o montante atualizado, incluindo juros, o retorno acaba sendo muito superior, principalmente em períodos mais longos. Caso consideremos os mesmos R$ 10.000,00 aplicados em uma mesma aplicação, mas com juros compostos, o resultado obtido em juros nos mesmos 5 anos seria de R$ 6.420,49, portanto, um resultado cerca de 30% maior.

Usando os juros compostos através dos dividendos

No caso do investimento em ações, ou fundos imobiliários, os juros compostos também podem estar presentes, e podem gerar resultados ainda muito maiores, basta o investidor ter o hábito de reinvestir seus dividendos.

Entendemos que seja fundamental o investidor reaplicar seus dividendos durante a fase de formação de sua carteira previdenciária, já que é esse hábito que possibilitará a multiplicação do patrimônio no longo prazo.

Investir com foco em dividendos no longo prazo é uma tarefa que requer paciência e pode levar muito tempo até que o investidor adquira um montante que julgue razoável, mas os persistentes e pacientes são os maiores recompensados no longo prazo.

Quando o investidor recebe os dividendos e utiliza-os para comprar mais ações, o número de ações da carteira cresce, e o próximo pagamento de dividendos terá como base uma posição acionária maior.

Alguns Cases

Veja alguns exemplos do efeito multiplicador do reinvestimento dos dividendos no investimento em ações:

TAESA (TAEE11)

Como podemos ver no gráfico, o investidor que comprou R$ 100,00 em ações da empresa Taesa ao final de 2006, hoje teria quase R$ 1.000,00 de capital acumulado sem ter aportado um centavo a mais. Portanto, obteve um retorno absoluto de quase 900%. No mesmo período, o CDI bruto gerou um retorno de 200% e o Ibovespa de cerca de 70%. Diferença fantástica.

Já a linha vermelha representa o retorno do investimento em Taesa sem reinvestimento de dividendos. Nesse caso, o retorno do investidor teria sido próximo ao CDI, ou seja, 200%.

Reinvestir os dividendos teria gerado ao investidor de Taesa um resultado mais de 200% maior que o obtido sem o reinvestimento.

AMBEV S/A (ABEV3)

A Ambev também é um exemplo fantástico de como reinvestir os dividendos e deixar os juros compostos trabalharem faz toda a diferença no longo prazo. Perceba o resultado de reinvestimento de dividendos na linha azul contra o resultado do investidor que não reaplicou os proventos, demonstrados na linha vermelha:

O investidor que adquiriu R$ 100,00 em ações da Ambev há cerca de 22 anos atrás, nunca mais aportou valor algum e apenas reinvestiu todos os dividendos, hoje teria cerca de R$ 22.000,00. O capital se multiplicou por 220 vezes.

Já o investidor que não reaplicou os proventos também obteve um retorno expressivo, mas muito menor, tendo multiplicado o capital por cerca de 97 vezes.

Dessa forma, apenas o reinvestimento de dividendos possibilitou ao investidor obter um capital quase 130% maior. Mais que o dobro.

ETERNIT (ETER3)

A Eternit é uma empresa que hoje encontra-se em situação bastante adversa, e que não vem mais realizando pagamentos de dividendos.

Porém, no caso da Eternit, o reinvestimento de dividendos conseguiria inclusive livrar o investidor de amargar prejuízos com as ações nos patamares atuais, já que com o reinvestimento de proventos, o retorno nos últimos 16 anos teria sido de cerca de 500% contra um retorno negativo para o investidor que não reinvestiu os proventos:

SOUZA CRUZ (CRUZ3)

No caso de Souza Cruz, a vantagem de se reinvestir dividendos fica ainda mais destacada e a diferença é simplesmente absurda.

A multiplicação do capital que o investimento em CRUZ3, num período de 20 anos, proporcionou para quem reinvestiu os dividendos foi de 1800 vezes, contra cerca de 200 vezes para o investidor que não utilizou os juros compostos ao seu favor.

Portanto, como vimos nos exemplos, o hábito de reinvestir os dividendos permite a ação dos juros compostos sobre seus investimentos e o resultado final é simplesmente fantástico, fazendo toda a diferença no resultado de longo prazo e na criação de riqueza.

Obviamente chegará um ponto que o poupador irá necessitar ou deverá utilizar parte de seus dividendos para custear sua aposentadoria ou seu custo de vida, e nesse momento ele não poderá mais reinvestir todos os proventos, o que é natural, mas recomendamos que durante a fase de acumulação e formação de patrimônio, o investidor sempre tenha o hábito de reinvestir todos os proventos.

Dessa forma, o montante adquirido será muito maior, e em menos tempo, além desse hábito proporcionar uma geração de renda passiva muito maior que o investidor que nunca reinvestiu os proventos.

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account