zona do euro
Por: Tiago Reis

Zona do Euro: o conjunto de países onde o Euro é a moeda oficial

Dentro da União Européia, existe um tipo de união específica que abrange maioria dos países participantes do bloco: a Zona do Euro

Por se tratar de uma união monetária, a moeda utilizada por todos os países da Zona do Euro é, obviamente, a mesma: o euro.

O que é a Zona do Euro?

A Zona do Euro é uma união monetária vigente dentro da União Européia. Ela compreende a área onde o Euro é a única moeda oficial adotada pela economia desses países.

Essa zona foi criada para facilitar negociações e tornar a economia do conjunto de países do bloco do euro mais estável e próspera. Atualmente, 19 dos 28 países da União Europeia usam o Euro como moeda oficial.

Por ser uma união supranacional vinculada a União Européia, a Zona do Euro têm as suas políticas monetárias reguladas pelo BCE, o Banco Central Europeu.

Como a Zona do Euro foi formada?

Também chamada de Eurozona, a formação dessa união monetária esteve intimamente ligada a criação da própria moeda única, o Euro — um desejo antigo dos países que formavam o bloco.

Assinado em 1992, o Tratado da Maastrich originou a criação do bloco da União Europeia. Esse acordo foi um dos fundamentos para que, anos depois, fosse criada a moeda única. Com o tratado, a UE passou a ter uma única política econômica.

Assim, em 1999, foi criado o Instituto Monetário Europeu e a aprovação de uma única moeda para países que formariam a Zona do Euro.

O processo para adoção do euro demorou três anos até a sua conclusão. Todos os países membros substituíram suas moedas nacionais por uma moeda única, formando a área do euro.

Eram onze países membros quando foi formada. Pouco mais de dez anos depois, a zona do euro já era considerada a segunda maior economia do mundo. A transição dos países para o euro foi a maior troca de moeda do mundo.

Regras da Zona do Euro

zona do euro

Os países membros da Zona do Euro precisam respeitar alguns acordos, chamados de critérios de convergência — como, por exemplo, não ter um dívida pública superior a 60% do PIB.

Porém, existem outros quatro critérios para aderir a zona do euro. São eles:

  1. A taxa de inflação não pode ser superior a 1,5% da média dos países da União Europeia;
  2. Deficit orçamentário menor ou igual que 3%;
  3. Participação de dois anos no mecanismo de controle do câmbio;
  4. Taxas de juros de longo prazo inferiores a 2%.

Entretanto, além destes critérios, a legislação do país interessado em entrar para Zona do Euro deve respeitar todos os requisitos da UE. Por fim, atendidas todas as exigências, é emitido o relatório de convergência positivo.

Países que formam a Zona do Euro

Atualmente, o Euro é moeda nacional para 300 milhões de pessoas. Juntos, esta população representa 20% da economia mundial. Dentre os países que utilizam o Euro como moeda oficial, estão:

  • Áustria;
  • Bélgica;
  • Chipre;
  • Estônia;
  • Finlândia;
  • França;
  • Alemanha;
  • Grécia;
  • Irlanda;
  • Itália;
  • Letônia;
  • Lituânia;
  • Luxemburgo;
  • Malta;
  • Países Baixos;
  • Portugal;
  • Eslováquia;
  • Eslovênia;
  • Espanha.

Além dessa lista, também existem países que já entraram na União Europeia, mas que ainda não adotaram a moeda. Ou seja, eles poderão fazer a transição para o Euro no futuro quando cumprirem os requisitos impostos pelo bloco no futuro. São eles:

  • Bulgária;
  • Croácia;
  • República Checa;
  • Hungria;
  • Polônia;
  • Romênia;
  • Suécia.

Porém, também existem dois outros países que participam da União Europeia, mas que decidiram não aderir a Zona do Euro e manter suas respectivas moedas: a Dinamarca e o Reino Unido.

Crise na Zona do Euro

Uma crise da dívida pública recentemente atingiu os países da Zona do Euro que ultrapassaram o limite de gastos estabelecido pelo Tratado de Maastricht. No acordo, o limite máximo é 60% do valor do PIB.

A Grécia, que atingiu a maior dívida da Zona do Euro, chegou a ultrapassar o triplo do limite. O país chegou a acumular 96,9 bilhões de euros, quase 180% do valor do PIB.

Principais países europeus endividados

Outros países também preocupam o BCE: a imprensa adotou o nome de PIIGS para o grupo de países em pior situação. Como esses países não possuem recursos sobrando, conhecido como superávit, acabaram gerando desconfiança de investidores. O grupo é formado por:

  • Portugal;
  • Irlanda;
  • Itália;
  • Grécia;
  • Espanha.

Até o último levantamento feito, referente ao ano de 2017, a Grécia ainda tinha o cenário mais preocupante. Mas Portugal e Itália tinham o endividamento 120% do valor do PIB.

O endividamento dos países da Zona do Euro é preocupante porque pode deixar os bancos mais cautelosos. O que pode dificultar a liberação de crédito para empresas e países da Europa.

A Zona do Euro é um dos principais mercados financeiros internacionais da atualidade. Para saber mais, baixe gratuitamente o nosso E-book Investindo no Exterior e entenda como investir nesses e outros mercados.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

202 artigos
Ações

FIIs

52 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!