zona do euro
Por: Tiago Reis

Zona do Euro: o conjunto de países onde o Euro é a moeda oficial

Dentro da União Européia, existe um tipo de união específica que abrange maioria dos países participantes do bloco: a Zona do Euro

Por se tratar de uma união monetária, a moeda utilizada por todos os países da Zona do Euro é, obviamente, a mesma: o euro.

O que é a Zona do Euro?

A Zona do Euro é uma união monetária vigente dentro da União Européia. Ela compreende a área onde o Euro é a única moeda oficial adotada pela economia desses países.

Essa zona foi criada para facilitar negociações e tornar a economia do conjunto de países do bloco do euro mais estável e próspera. Atualmente, 19 dos 28 países da União Europeia usam o Euro como moeda oficial.

Por ser uma união supranacional vinculada a União Européia, a Zona do Euro têm as suas políticas monetárias reguladas pelo BCE, o Banco Central Europeu.

Como a Zona do Euro foi formada?

Também chamada de Eurozona, a formação dessa união monetária esteve intimamente ligada a criação da própria moeda única, o Euro — um desejo antigo dos países que formavam o bloco.

Assinado em 1992, o Tratado da Maastrich originou a criação do bloco da União Europeia. Esse acordo foi um dos fundamentos para que, anos depois, fosse criada a moeda única. Com o tratado, a UE passou a ter uma única política econômica.

Assim, em 1999, foi criado o Instituto Monetário Europeu e a aprovação de uma única moeda para países que formariam a Zona do Euro.

O processo para adoção do euro demorou três anos até a sua conclusão. Todos os países membros substituíram suas moedas nacionais por uma moeda única, formando a área do euro.

Eram onze países membros quando foi formada. Pouco mais de dez anos depois, a zona do euro já era considerada a segunda maior economia do mundo. A transição dos países para o euro foi a maior troca de moeda do mundo.

Regras da Zona do Euro

zona do euro

Os países membros da Zona do Euro precisam respeitar alguns acordos, chamados de critérios de convergência — como, por exemplo, não ter um dívida pública superior a 60% do PIB.

Porém, existem outros quatro critérios para aderir a zona do euro. São eles:

  1. A taxa de inflação não pode ser superior a 1,5% da média dos países da União Europeia;
  2. Deficit orçamentário menor ou igual que 3%;
  3. Participação de dois anos no mecanismo de controle do câmbio;
  4. Taxas de juros de longo prazo inferiores a 2%.

Entretanto, além destes critérios, a legislação do país interessado em entrar para Zona do Euro deve respeitar todos os requisitos da UE. Por fim, atendidas todas as exigências, é emitido o relatório de convergência positivo.

Países que formam a Zona do Euro

Atualmente, o Euro é moeda nacional para 300 milhões de pessoas. Juntos, esta população representa 20% da economia mundial. Dentre os países que utilizam o Euro como moeda oficial, estão:

  • Áustria;
  • Bélgica;
  • Chipre;
  • Estônia;
  • Finlândia;
  • França;
  • Alemanha;
  • Grécia;
  • Irlanda;
  • Itália;
  • Letônia;
  • Lituânia;
  • Luxemburgo;
  • Malta;
  • Países Baixos;
  • Portugal;
  • Eslováquia;
  • Eslovênia;
  • Espanha.

Além dessa lista, também existem países que já entraram na União Europeia, mas que ainda não adotaram a moeda. Ou seja, eles poderão fazer a transição para o Euro no futuro quando cumprirem os requisitos impostos pelo bloco no futuro. São eles:

  • Bulgária;
  • Croácia;
  • República Checa;
  • Hungria;
  • Polônia;
  • Romênia;
  • Suécia.

Porém, também existem dois outros países que participam da União Europeia, mas que decidiram não aderir a Zona do Euro e manter suas respectivas moedas: a Dinamarca e o Reino Unido.

Crise na Zona do Euro

Uma crise da dívida pública recentemente atingiu os países da Zona do Euro que ultrapassaram o limite de gastos estabelecido pelo Tratado de Maastricht. No acordo, o limite máximo é 60% do valor do PIB.

A Grécia, que atingiu a maior dívida da Zona do Euro, chegou a ultrapassar o triplo do limite. O país chegou a acumular 96,9 bilhões de euros, quase 180% do valor do PIB.

Principais países europeus endividados

Outros países também preocupam o BCE: a imprensa adotou o nome de PIIGS para o grupo de países em pior situação. Como esses países não possuem recursos sobrando, conhecido como superávit, acabaram gerando desconfiança de investidores. O grupo é formado por:

  • Portugal;
  • Irlanda;
  • Itália;
  • Grécia;
  • Espanha.

Até o último levantamento feito, referente ao ano de 2017, a Grécia ainda tinha o cenário mais preocupante. Mas Portugal e Itália tinham o endividamento 120% do valor do PIB.

O endividamento dos países da Zona do Euro é preocupante porque pode deixar os bancos mais cautelosos. O que pode dificultar a liberação de crédito para empresas e países da Europa.

A Zona do Euro é um dos principais mercados financeiros internacionais da atualidade. Para saber mais, baixe gratuitamente o nosso E-book Investindo no Exterior e entenda como investir nesses e outros mercados.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

194 artigos
Ações

FIIs

49 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Invista
No Tesouro
Direto

Aprenda tudo o que você precisa sobre um dos investimentos mais populares e seguros do Brasil

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!

Suno Black

Dias
Horas
Minutos
Segundos

Aproveite os últimos dias para se tornar Suno Black e ter acesso a todas as nossas assinaturas em 1 único plano!

Suno Black

tudo.

Dias
Horas
Minutos
Segundos

Aproveite os últimos dias para garantir a sua assinatura Suno Black e ter acesso a todo o conteúdo exclusivo Suno, com somente 1 assinatura!